Com mais de 120 filmes nacionais lançados (batendo a projeção inicial de 115) e 26 milhões de ingressos vendidos, 2013 foi o melhor ano do cinema brasileiro desde o início da chamada Retomada. Mas a Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o Ministério da Cultura acreditam que é possível crescer ainda mais em 2014.

Representantes dos dois órgãos anunciaram na terça-feira, 17, as Chamadas Públicas 2013 e a criação de novas linhas de investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Em uma iniciativa que compreende diversas linhas de apoio, financiamento e ação, serão investidos cerca de R$ 400 milhões no setor audiovisual nacional no próximo ano. “Esta quantia é equivalente à soma de todos os valores disponibilizados nas outras quatro convocatórias, que começaram em dezembro de 2008”, comentou Manoel Rangel, diretor-presidente da Ancine. “Sobre o bom desempenho do cinema neste ano, diria que é melhor ainda que nos anos 80, quando a bilheteria sofria a interferência do da pornochanchada. Hoje, temos um leque muito mais diversificado, com muito mais gêneros”, comentou Rangel.

O leque principal de investimentos do FSA compreende editais inéditos para o Desenvolvimento de Projetos e Formatos, que vai contar com a criação de laboratórios e núcleos criativos em todas as regiões do Brasil; um edital específico para projetos de produção de longas-metragens de caráter artístico e que inovam na linguagem; a preocupação com o cinema regional, com complementação de recursos aos editais e concursos municipais e estaduais; a disponibilização de novos recursos para o Programa Cinema Perto de Você; e a criação do Sistema de Apoio Financeiro Automático.

Este último pretende dinamizar o repasse de verbas para as empresas do setor, com base em seu desempenho comercial, que será calculado de acordo com um mecanismo de pontuação. O Sistema de Apoio Financeiro Automático foi bem recebido e aprovado pelos representantes da classe cinematográfica presentes à cerimônia, assim como o anúncio do edital específico para os filmes autorais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.