A beleza de construções feitas em madeira nas proximidades de Curitiba foi o que levou o fotógrafo Nego Miranda e a arquiteta Maria Cristina Wolff de Carvalho a expor o trabalho Igrejas de madeira do Paraná. A mostra é resultado de uma grande pesquisa feita pelos dois e apresenta, através de 42 fotografias e textos informativos, os marcos mais expressivos da arquitetura das igrejas presentes na região de Curitiba e do sudoeste do Estado.

Para chegar à exposição, no entanto, Miranda explica que todo o processo resultou do livro Paraná em madeira, lançado por eles em 2005. “A exposição é um dos resultados desse livro. Nele apresentamos a arquitetura de madeira do Estado em geral, que vai desde estádios de futebol até paióis construídos totalmente em madeira. No meio desse projeto vimos que tinha muita coisa interessante nas igrejas”, afirma. Por conta dessa descoberta a dupla resolveu trabalhar em um livro especificamente sobre as igrejas de madeira. “O igrejas de madeira é como um filhote do Paraná em madeira”, ressalta a arquiteta.

Questionado sobre a intenção da exposição, Miranda conta que o trabalho pretende resgatar parte da cultura que chegou ao Paraná por meio da imigração polonesa, ucraniana, italiana e alemã nos meados do século XIX. “Eles chegaram ao Estado com o conhecimento do uso da madeira nas construções. Quando encontraram uma vasta floresta de pinheiros desenvolveram todas suas estruturas em madeira, um material perecível e muito mais frágil que a alvenaria. Ou seja, se não for bem cuidado irá sumir. Por isso, antes que suma, vamos resgatar e tentar preservar o que já existe”, ressalta o fotógrafo.

Dentre as várias igrejas presentes na exposição, que conta com 42 fotografias, Miranda destaca a igreja ucraniana Imaculada Conceição, em Antonio Olinto, região sudeste do Paraná, como a mais bonita. “Trata-se de uma belíssima estrutura construída em meados de 1911. É uma construção tão grandiosa que parece ser de alvenaria, mas não é. Seguramente essa é uma das igrejas mais belas da região”, reconhece.

Todas as imagens presentes na exposição contam com textos de Maria Cristina que fundamentam o que é exposto. “O que eu escrevo é uma tentativa de mostrar a importância e a riqueza inestimável dessa arquitetura. É uma forma de tradição cultural que não se pode deixar acabar”, resume.

Serviço

Exposição Igrejas de Madeira do Paraná.Até o dia 16 de maio, na Galeria da Caixa (Rua Conselheiro Laurindo, 280, centro), em Curitiba. De terça-feira a sábado, das 10h às 21h, e aos domingos, das 10h às 19h. Entrada franca. Informações: (41) 2118-5114.