Se depender de uma ampla corrente de músicos americanos, o presidente George W. Bush pode fazer as malas para voltar a seu rancho no Texas onde, aliás, passa boa parte do tempo, como mostrou Michael Moore em Fahrenheit 11 de setembro. Uma ampla coalizão que vai de James Taylor e Bruce Springsteen a R.E.M., Green Day e Nofx está mobilizada contra a política antiterrorista e a invasão do Iraque no que chamam de Guerra contra o Errorismo (War on Errorism), num trocadilho com a Guerra ao Terrorismo do atual inquilino da Casa Branca.

Desde a guerra do Vietnã não se via uma mobilização de tal ordem pegando amplos setores da música. Bruce Springsteen, o menestrel do blue collars, escreveu um artigo no New York Times contra Bush: “Nosso governo se desviou para bem longe dos valores americanos. É hora de seguir adiante. O país que carregamos nos nossos corações está esperando.” Ele anunciou para outubro a turnê de 34 shows em 28 cidades, Vote para Mudar, ao lado dos grupos Dave Matthews Band, Pearl Jam, R.E.M., the Dixie Chicks e dos cantores James Taylor e Jackson Browne.

Fat Mike, do grupo Knox, coordenador dos Rock AgainstBushberra: “Sr. presidente, tome cuidado! O senhor está errado sobre tudo e o povo não agüenta mais!”.