Leonardo da Vinci pintou o rosto de Lisa Gherardini, “A Gioconda”, em um lenço, uma década antes de emoldurar em madeira de nogueira o sorriso mais enigmático da história da arte, defendeu nesta quinta-feira uma fundação suíça segundo a qual o retrato exibido no Louvre é a última versão da original.

A fundação afirma que já no século XVI várias fontes alertaram que Leonardo havia criado duas versões da Mona Lisa, uma para o marido de Gherardini e outra para Giuliano de Médici, seu patrão, o que, segundo a entidade, as técnicas atuais confirmaram ao corroborar que ambos os retratos foram pintados pelo mesmo artista.

Conhecida como a Mona Lisa de Isleworth, o quadro apresentado hoje é um pouco maior do que o da Gioconda, suas cores são mais vivas e retratam uma moça “mais jovem” do que a retratada pelo grande artista do Renascimento.