tv31.jpgCamila Rodrigues é do tipo determinada. Até conseguir o papel da ingênua Mari, a irmã de Sol, vivida por Déborah Secco em América, foram cinco anos batendo na porta da Globo. Aos 21 anos, já até perdeu a conta de quantos testes fez. Em 2001, ficou entre as três finalistas para protagonizar a minissérie Presença de Anita, mas perdeu a personagem para Mel Lisboa. As decepções, no entanto, não pararam por aí. Tudo o que conseguia com os testes eram participações meteóricas em algumas produções da casa, como Malhação e Da Cor do Pecado. ?Me sentia um peixe fora d? água. Queria mostrar trabalho e não podia?, recorda.

Agora, o que não falta para Camila é chance de mostrar sua interpretação. No início da trama, sua personagem era apenas uma menina meiga que ia de casa para o trabalho e do trabalho para casa. Mas depois de se envolver com o esperto Alex, de Thiago Lacerda, Mari se transformou. Brigou com os pais por eles não aceitarem seu namoro, chegou a fugir de casa e deve servir de isca para que ele consiga levar mais drogas para os Estados Unidos. Tudo na maior ingenuidade, sem saber das reais intenções de Alex. ?A Glória Perez está me testando de novo. Se eu mandar bem, a personagem deve continuar crescendo. Senão, já era…?, raciocina, demonstrando que, apesar de novata, já entende bem como funciona uma novela.

Aprendendo

Camila tem plena consciência de que está dando apenas os primeiros passos na carreira, mas não esconde a satisfação com o trabalho que vem apresentando. Ela acredita que já melhorou bastante desde março, quando a novela estreou. ?No início, estava dura demais. O texto não fluía. Hoje, já consigo atuar com mais naturalidade?, avalia. Muita dessa rigidez era fruto do nervosismo. Camila mal conseguia acreditar que, finalmente, tinha conseguido um papel fixo e ainda por cima em uma novela das oito da Globo. Ela não queria errar de jeito nenhum, o que naturalmente acabou atrapalhando um pouco o seu desempenho. Ao assistir uma das primeiras cenas que fez com Paulo Goulart, a jovem atriz não conseguia parar de se criticar. ?Até que me toquei: ele tem mais de 40 anos de carreira. Eu tenho 21 de idade. Impossível comparar. É olhar e aprender?, pondera.

E foi justamente com os colegas veteranos que Camila começou a aprender a interpretar para a tevê. Como veio do teatro, a atriz exagerava nos gestos e no tom de voz. Observando atores como Paulo Goulart, Jandira Martini e Neuza Borges, ela passou a valorizar detalhes como um olhar, a respiração e pequenos movimentos. ?Percebi que posso dar várias nuances à personagem, sem ser exagerada?, comemora.

Ossos do ofício

Aliás, conseguir dar diferentes tons à personagem é tudo o que Camila pretende. Ela admite que Mari é ingênua, mas não quer que ela seja vista apenas como uma jovem burrinha como ela mesma define, que é facilmente enganada por Alex. A intenção de Camila é deixar claro os motivos de Mari para se comportar dessa forma. ?Ela nunca tinha namorado antes e não conhece nada da vida. A Mari vê no Alex o amor, o divertimento e a liberdade?, justifica. Apesar do esforço, a atriz admite que muitas pessoas ainda não estão conseguindo enxergar isso. Outro dia Camila estava passando pela rua quando uma senhora gritou: ?Você é 171 igual ao Alex?. A atriz confessa que ficou sem reação, pois acha muito esquisita toda essa confusão que o público faz entre ator e personagem. Ela também não conseguiu se acostumar ao assédio, mas garante que, por enquanto, ainda não tem de abrir mão dos programas que gosta de fazer, como jantar fora e caminhar na praia. ?Só é estranho… Parece que as pessoas ficam me medindo?, desabafa.

Apesar de ainda estar se adaptando aos ossos do ofício de ser atriz, Camila não consegue disfarçar a sensação de realização. Ela só tem olhos para a novela e para a sua personagem. ?Quero fazer muitas outras coisas: novelas, peças e filmes. Mas só vou pensar nisso quando América acabar. Não quero me precipitar?, avisa.

Paulista de Santo André

Camila nasceu em 23 de agosto de 1983 em Santo André, São Paulo, onde morou durante um ano. Em seguida, foi para Fortaleza, por causa do emprego do pai. Três anos depois, se mudou para o Rio de Janeiro, onde vive até hoje.

– Quando não está gravando, Camila adora ficar em casa com a sua cadela Princesa, uma maltês de três meses. ?Ela é como se fosse minha filha?, derrete-se.

– Como no início da novela, Camila não tinha muita informação sobre Mari. A sua composição se limitou a visitar o bairro de Vila Isabel, na zona norte do Rio. ?Fui em festas de rua e observei como as jovens se vestem e se comportam?, conta.

– No teste para América, Camila teve de interpretar um trecho do texto de Helena, personagem de Vera Fischer em Laços de Família. ?Todo teste que fiz na Globo achava que era o teste da minha vida. Esse foi?, comemora.