Dividido em cinco capítulos, A Cidade Vista se ocupa tanto dos shoppings como dos ambulantes de Buenos Aires, para analisar a “cidade das mercadorias” que, naturalmente, tem seus marginais. O segundo capítulo, aliás, se ocupa deles.

Durante quatro anos, a escritora Beatriz Sarlo percorreu a cidade com uma caderneta e câmera digital, tirando centenas de fotos. Concluiu que a capital portenha sempre foi uma cidade de estrangeiros, de imigrantes vindos da Europa, da Ásia e, hoje, de países vizinhos como a Bolívia e o Paraguai. A eles é dedicado o terceiro capítulo, em que analisa o caráter polifônico e poligráfico da Buenos Aires do século 21.

No quarto capítulo, a professora de literatura exercita seu lado crítico, buscando nas representações da cidade (fotos, pinturas) o que os artistas descobriram dela. No último capítulo, analisa imagens como as de Facundo de Zuviría para descobrir qual é, afinal, a identidade que Buenos Aires diz ser a sua.