Mais de 140 mil pessoas assistiram aos shows da Virada Cultural de Curitiba, a primeira da cidade, neste fim de semana, em quatro grandes palcos montados na cidade. Foram 24 horas ininterruptas de programação. O público se encantou com as apresentações do Rei Roberto Carlos, do Tremendão Erasmo Carlos, de Paulinho da Viola, Hermeto Pascoal e Orquestra Sinfônica do Paraná, Pato Fu, Mart’nália, Sandra de Sá, Arrigo Barnabé e Orquestra À Base de Sopro, entre outras atrações.

A programação começou com o cantor e compositor Paulinho da Viola, que se apresentou acompanhado da Orquestra À Base de Corda, no palco Riachuelo, em frente do Paço Municipal, na praça Generoso Marques.

O cantor Roberto Carlos se apresentou à noite, para 50 mil pessoas, em palco montado na praça Nossa Senhora da Salete, no Centro Cívico. O roqueiro Erasmo Carlos cantou para mais de 10 mil pessoas, no encerramento da Virada, no domingo (7), no palco Riachuelo.

“A Virada Cultural é uma grande mobilização social em torno da música e do entretenimento, que acontece também em outras cidades, com duração de 24 horas. Só que em Curitiba, fizemos diferente, começamos já na quarta -feira com a Corrente Cultural que vai se estender até o dia 14”, disse Luciano Ducci.

Para o presidente da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), Paulino Viapiana, o evento superou as expectativas. “Foi um sucesso absoluto e mostrou que temos que fazer cada vez mais ações que promovam a cultura da cidade. Com a Corrente Cultural, a FCC cumpre o seu papel de democratizar o acesso da população a uma programação cultural de qualidade e, principalmente, gratuita. Só podemos comemorar o sucesso”, acrescenta Viapiana.

Paulinho da Viola, que abriu as atividades no palco da Riachuelo no sábado, agradeceu a “simpática e calorosa” plateia curitibana. O compositor fez também questão de ressaltar a importância de eventos gratuitos como a Virada da Corrente Cultural. “Ações assim permitem que pessoas, que normalmente não teriam a oportunidade, assistam a espetáculos culturais de boa qualidade”.

A vocalista da banda Pato Fu, Fernanda Takai, elogiou a iniciativa da Fundação Cultural de Curitiba e de todos os parceiros do evento e, deixou claro o seu encantamento pela capital paranaense. “A Virada atingiu um público muito diversificado e que está acompanhando com muita satisfação toda a programação do evento. Fazia um bom tempo que nós não tocávamos em Curitiba. Se dependesse só do Pato Fu, nós iríamos nos apresentar com uma frequência muito maior aqui. Os curitibanos sempre nos recebem de braços abertos e em troca damos o nosso carinho”, completou a artista.

Energia não faltou para o público. Muitas pessoas acompanharam grande parte da programação oferecida. Famílias, jovens, adolescentes e crianças. O empresário Rafael Mendes, de 32 anos, disse que essa é uma das melhores coisas dessa cidade. “A oportunidade de participar de um grande show assim é inesquecível. Um momento para curtir com a família e os amigos”, completa.

Para a fisioterapeuta Rafaela Jordan, 33, “essa foi uma possibilidade e participar de muitas horas de cultura e arte na nossa cidade. Um investimento em Cultura importante para a cidade, possibilitando que todos tenham acesso a apresentações imperdíveis, gratuitos e com muita estrutura e qualidade”.

Bastante aclamado, Erasmo Carlos se despediu do público emocionado. “Gostaria de parabenizar os criadores deste evento e sua organização. Nós, artistas agradecemos muito esta iniciativa e a oportunidade de poder estar aqui trocando amor com vocês”.

Corrente Cultural

A Virada faz parte da Corrente Cultural, aberta na última quarta-feira (3) com a oferta de 350 atrações em 70 espaços da cidade, entre espetáculos, exposições, debates, mostras, shows e outras atividades nas Regionais. A Corrente se estenderá até o dia 14 de novembro. Confira a programação completa no site www.correntecultural.com.br