Jundiaí – O técnico Zetti, do Paulista, já tem a receita para se sagrar campeão paulista de 2004. Segundo ele, o time de Jundiaí precisa de apenas uma partida perfeita, das duas a serem realizadas no Pacaembu, para chegar ao título. No entanto, para este primeiro jogo diante do São Caetano, amanhã, sua prioridade foi reforçar a defesa.

Suspenso, o atacante Izaías deu lugar no time para o volante Amaral, que venceu a “disputa” pela posição com Márcio Mossoró, também atacante. Com isso, o meia Aílton, responsável pelos contra-ataques do time, terá mais liberdade para agir. As atuações decisivas do goleiro Márcio nas partidas semifinais contra o Palmeiras lhe renderam a posição de titular do time. A decisão foi tomada pelo treinador de goleiros Armando Bracalli, curiosamente pai do ex-titular Rafael, com um edema na perna esquerda.

Para Zetti, particularmente, o Pacaembu é o palco ideal para a chamada partida perfeita. Foi lá que ele fez o que considera seu melhor jogo na carreira, em 1994, quando defendia o São Paulo, contra o Palmeiras, pela Libertadores. “O Pacaembu é o palco perfeito para um time ser campeão. Sem dúvidas é um dos estádios mais charmosos do Brasil e vencer lá será uma grande satisfação para mim.”

Uma partida perfeita, no entanto, não significa uma goleada. Um jogo de boa marcação e uma vitória já significa que o objetivo foi conquistado. “Prefiro ganhar mesmo que jogue mal. Tenho que trabalhar com resultados. Não adianta nada dar show e não levar o título.”

No treino de quinta-feira, último apronto no Estádio Jaime Cintra antes de partir para a Capital, o técnico programou um treinamento de cobranças de faltas e pênaltis. Segundo ele, existe uma grande possibilidade, pelas características dos times, do jogo ser definido em uma bola parada.

A equipe está concentrada desde a noite de quinta-feira. Ontem, treinou somente à tarde, depois o time segue concentrado no Estádio Jaime Cintra até hoje, quando viaja para São Paulo, onde fará à tarde um reconhecimento do gramado do Pacaembu.

A provável formação para enfrentar o São Caetano é esta: Márcio; Lucas, Asprilla, Danilo e Galego; Alemão, Umberto, Amaral e Canindé; Ailton e João Paulo.