A seleção australiana está em um dos grupos mais difíceis da Copa do Mundo, ao lado da atual campeã Espanha, da vice Holanda e de uma das candidatas a zebra da competição, o Chile. Mesmo com a forte concorrência na busca por uma vaga na segunda fase e a pouca tradição em Mundiais, a Austrália entrará na competição sem medo. Pelo menos foi o que garantiu o zagueiro Spiranovic.

“Nós vamos para esses jogos como franco-atirador e está bom para nós. Mas na concentração e no grupo ainda há muita crença de que poderíamos ir lá e surpreender as pessoas. É um time jovem e não há medo entre a gente. Estou confiante que podemos ir lá e surpreender eles”, declarou, em entrevista ao site da Fifa.

“Nós trabalhamos muito duro nas últimas semanas para melhorar o entendimento entre nós na defesa e no meio de campo em particular”, comentou. “Contra a Croácia houve muitos sinais bons e eu acho que a estrutura defensiva está muito boa”, completou, citando o amistoso disputado na sexta passada, que terminou com vitória croata por 1 a 0.

A análise foi compartilhada pelos companheiros de equipe, como o meio-campista Matt McKay. Para o jogador do Brisbane Roar, da liga local, a seleção australiana pode se aproveitar de uma certa “liberdade” por jogar sem nenhum tipo de pressão.

“Isso é a liberdade. Eu acho que ninguém espera que façamos nada e isso será bom para nosso estilo de futebol. Nós não temos nada a perder. Precisamos ser bravos, precisamos lutar, e é isso que os australianos fazem”, garantiu.

É com esse espírito que a Austrália estreará na competição nesta sexta-feira, diante do Chile, na Arena Pantanal. Na quarta que vem, o adversário pelo Grupo B da Copa será a Holanda, no Beira-Rio. A participação da equipe na primeira fase terminará contra a Espanha, dia 23, na Arena da Baixada.