O rápido trio de ataque do Brasil formado por Neymar, Hulk e Fred é o motivo de maior preocupação para os jogadores da Croácia, adversário da estreia no Mundial na próxima quinta-feira, no Itaquerão, em São Paulo. Enquanto o técnico Niko Kovac procura a melhor formação para a partida, os defensores buscam alternativas para frear os adversários.

Para o zagueiro Vedran Corluka, não há uma fórmula exata para neutralizar o poder de fogo brasileiro. Ele elogiou os adversários, mas disse que não pretende vê-los jogar livremente e promete uma marcação forte desde o começo do jogo.

“São todos grandes atletas, realmente imprevisíveis e cheios de truques. Conheço Hulk da Liga Russa, já o enfrentei algumas vezes e é um jogador muito, muito poderoso, um grande atacante. Será difícil dominá-los, mas espero que encontremos uma forma”, disse o atleta, que joga no Lokomotiv de Moscou.

A Croácia deve entrar em campo contra o Brasil com apenas Jelavic no ataque e com o meio-campo reforçado para congestionar o setor de criação. Apesar da formação teoricamente mais defensiva, os jogadores descartam qualquer receio de enfrentar os donos da casa.

“Se você chegar ao jogo pessimista, as chances de as coisas darem errado aumentam. Sabemos que eles são um grande time, são favoritos ao título e têm grandes jogadores e um grande técnico, mas temos nossas forças e esperamos poder fazer um bom jogo, é assim que precisamos pensar”, concluiu.

A Croácia volta a treinar na tarde deste domingo às 17 horas. A atividade, no entanto, só será aberta por 15 minutos para a captação de imagens. Niko Kovac deve começar a montar neste treino o esboço do time que deve enfrentar o Brasil.