Aos 33 anos, Xavi Hernández só defendeu o Barcelona na sua carreira e é considerado o maestro do clube catalão, classificado para mais uma semifinal da Liga dos Campeões da Europa. O meia afirmou, em entrevista ao site oficial da Uefa, que vencer é importante, mas que o time não se satisfaz apenas com o triunfo e também precisa impor seu estilo de jogo perante os adversários para deixar um legado para a história do futebol.

“O futebol é jogado para vencer, mas a nossa satisfação tem de ser dupla”, destacou. “Outras equipes ganham e ficam satisfeitas, mas não é a mesma coisa. Falta identidade”, disse. “É possível jogar muito, muito bem, e não ganhar. Há algo mais importante do que o resultado, e também mais duradouro: a herança”, completou.

Assim, Xavi apontou a vitória do Barcelona por 4 a 0 sobre o Milan, que levou o time a avançar às quartas de final da Liga dos Campeões após perder por 2 a 0 na Itália, como um marco do estilo de jogo da equipe.

“Aquele foi um momento significativo. Tínhamos acabado de ser eliminados pelo Real Madrid nas semifinais da Copa do Rei, um enorme revés para nós. A equipe reagiu bem e voltou a jogar com intensidade, conseguindo talvez realizar algumas das melhores exibições da temporada em termos ofensivos, com muita pressão, algo que vinha faltando nos jogos anteriores”, disse.

Com o Barcelona classificado para a sexta semifinal consecutiva da Liga dos Campeões, Xavi revelou sonhar em disputar a decisão em Wembley, estádio em que o clube faturou título em 1992 e 2011. “Wembley nos traz excelentes recordações. Disputamos lá duas finais e vencemos ambas. A final ser em Wembley nos faz sonhar com o retorno. Vai ser difícil, mas queremos voltar e reviver os bons momentos que sentimos em Londres, e especialmente em Wembley”, comentou.