Os últimos dois jogos de Wellington animaram o torcedor são-paulino, que viram o volante repetir contra Flamengo e Fluminense atuações muito parecidas com as do ano passado, quando foi um dos pilares da equipe na conquista da Copa Sul-Americana.

Mas, se depender do volante, sua trajetória no clube está perto do fim. Procurado por Inter de Milão e Galatasaray, ele quer se transferir para a Europa antes do fim da janela de transferências – que se encerra neste sábado – e cumprir o que chama de “sonho” de defender uma equipe no Velho Continente.

“Tenho propostas e fico feliz pelo meu trabalho estar sendo reconhecido por grandes clubes, mas isso fica nas mãos de Deus e do São Paulo. O São Paulo não me procurou, mas falou com meu empresário. Meu trabalho é dentro de campo, tenho empresário para isso e é o trabalho dele”, disse.

O ano de 2013 tem sido de altos e baixos para Wellington, que alternou bons momentos com expulsões e partidas muito ruins. Ele admite que as propostas mexeram com sua cabeça, mas promete empenho nos próximos jogos para tentar tirar o São Paulo da zona de rebaixamento.

“Não vou mentir, uma proposta de um grande clube mexe com a gente, eu vim de baixo e isso mexe sim, minha família depende de mim. Mas não posso dizer que joguei mal por causa da proposta; vou colocar a culpa em mim, a responsabilidade por ter jogado mal é minha e tenho culpa também de o São Paulo estar nessa situação, mas vou ajudar o time a sair dessa situação”, completou.

Apesar do interesse estrangeiro, o São Paulo já avisou ao atleta que não pretende liberá-lo. “Deus está acima de tudo, mas posso dizer que Jesus não quer que ele saia em hipótese alguma”, disse o vice de futebol do clube, João Paulo de Jesus Lopes, brincando com o seu sobrenome.