Derrotado pelo suíço Stanislas Wawrinka na final do Aberto da Austrália, em um jogo no qual acabou sendo prejudicado por dores nas costas, Rafael Nadal revelou que viveu no confronto, realizado no último dia 26 de janeiro, a sua “pior hora e meia em uma quadra de tênis” em sua carreira.

Embora tenha dito, no dia do jogo em que caiu por 3 sets a 1 diante do suíço, que em nenhum momento pensou em desistir da partida, o espanhol admitiu que “não tinha nenhuma opção de ganhar (a final na Austrália)”. “É uma situação complicada e muito desagradável me retirar de uma final como essa. Diante disso, passei um momento complicado, a pior hora e meia que passei em uma quadra de tênis pelo que significa a partida para mim e pela partida em si, uma final de Grand Slam”, afirmou Nadal, em entrevista para a rede espanhola Cadena COPE, na noite da última segunda-feira.

O tenista número 1 do mundo voltou a falar sobre a decisão na Austrália ao receber o Prêmio Excelência Desportiva, entregue pelo jornal espanhol Mundo Deportivo, no qual ainda disse que ainda não sabe se poderá jogar o Torneio de Buenos Aires, que começa na próxima segunda-feira.

“Estou bem. Hoje (segunda-feira) passei por outra revisão (médica) e sigo com o mesmo tratamento desde quando voltei de Melbourne. Ainda não pisei na quadra nem fiz nenhum tipo de exercício. Tenho apenas descansado e tentado fazer a reabilitação adequada para voltar a estar na quadra o mais cedo possível, e minha intenção é estar na quinta-feira. A partir daí, quinta e sexta vou treinar e dependendo de como sintamos a evolução, com minhas sensações e também a opinião dos médicos, decidiremos se poderemos começar em Buenos Aires ou teremos de esperar o (torneio) seguinte”, disse o espanhol.

O calendário de Nadal prevê, além de sua possível participação do ATP realizado na capital argentina, a sua presença no Rio Open, que começará uma semana depois, no dia 17, e nos Masters 1000 de Indian Wells e Miami, a partir de 6 e 19 de março, respectivamente.