A 100 dias do início dos Jogos Olímpicos de Pequim, a tocha que simboliza o evento chegou ao Vietnã sob protestos. No momento em que o fogo desembarcava na capital Hanói, no início desta terça-feira (29), um grupo pedia o boicote à Olimpíada em um mercado da cidade.

Policiais reagiram com violência e prisões, mas não quis comentar o caso, nem mesmo fornecer o número de manifestantes detidos. O motivo dos protestos era o mesmo que marcou a passagem da tocha por cidades do Ocidente, como Paris, Londres e San Francisco – o repúdio à violência chinesa contra o Tibete.

A embaixada da China na capital vietnamita está cercada e sob intensa vigilância policial. O governo do país é aliado dos chineses e prometeu aos vizinhos do norte que não irá tolerar manifestações pró-Tibete durante a passagem do fogo. Na Coréia do Norte, outra aliada, o revezamento transcorreu sem problemas.

Para receber o revezamento no Vietnã foi escolhida Ho Chi Minh City (antiga Saigon). Atletas e personalidades locais correrão com o fogo, que começa seu trajeto pelo teatro de Ópera local. A cidade será a última parada do revezamento internacional da tocha, que depois segue para as antigas colônias de Hong Kong e Macau para depois entrar no país que receberá os Jogos entre 8 e 24 de agosto.