Depois de classificações heroicas em casa nos caminhos dos títulos da Libertadores de 2013 e da Copa do Brasil de 2014, o Atlético-MG se viu novamente em situação adversa nas quartas de final da Libertadores desse ano diante do São Paulo. Após perder por 1 a 0 no Morumbi, na ida, abriu 2 a 0 nesta quarta-feira logo com 11 minutos. Mas sofreu o gol aos 14, viu a própria pressão minguar com o passar do tempo e acabou eliminado mesmo vencendo por 2 a 1, por causa do gol levado no Independência.

A queda precoce, como era de se esperar, deixou os jogadores bastante frustrados. Um dos poucos que aceitaram falar com a imprensa na saída para os vestiários foi o goleiro Victor, e ele aproveitou para mostrar toda sua ira com o regulamento, com a arbitragem e até com o estilo de jogo do São Paulo.

“A gente lutou nos dois jogos, se dedicou. É como falei, por obra do regulamento, o Atlético-MG não consegue a classificação. Fomos melhor nos 90 minutos, o São Paulo se limitou a defender, às bolas paradas, achou o gol desta forma e depois só amarrou o jogo. E contou também com arbitragem que os favoreceu de novo”, disse em entrevista à TV Globo.

O fato é que o Atlético-MG encontrou bastante dificuldade na criação, em ambas as partidas. Nesta quarta, conseguiu os dois gols na base da pressão nos primeiros minutos, acertou a trave em outra oportunidade na cabeçada de Lucas Pratto, mas no segundo tempo se mostrou cansado e pouco assustou. Somente em chute de Clayton, rente à trave, e em cabeçada de Leonardo Silva, defendida por Denis, o time mineiro ameaçou a classificação são-paulina, mas ficou longe dos desempenhos históricos de campanhas passadas.