A chapa esquentou. O vice de futebol Aramis Tissot teve reunião com o grupo, foi duro e decidiu: quem não estiver com a cabeça no Paraná Clube é só pedir a rescisão de seu contrato.

A gota d’água foi a questão envolvendo o ala Gilson. A diretoria, mesmo admitindo que a transação para o Grêmio é boa para todas as partes, pretendia vê-lo em campo hoje. Porém, ao tomar conhecimento da negociação, o próprio Gilson procurou os dirigentes, alegando “não ter cabeça” para jogar.

“Só joguei limpo com o clube, que me deu a chance de estar onde estou”, disse o jogador, que chegou a chorar ontem, após o desabafo de Aramis Tissot. “O Paraná já está no meu coração. Mas sei que não teria condições de entrar em campo e dar o meu melhor. Por isso, pedi para não enfrentar o América-RN’.

Gilson só soube da proposta momentos antes do treino, através de seu procurador, o empresário Marcos Amaral. “Ele mesmo me aconselhou a jogar. Mas não dá’.

Gilson foi indicado pelo técnico Renato Gaúcho. Durante o jogo da semana passada, frente ao Bahia (quando o técnico ainda estava na direção do clube baiano), Gilson foi bater um lateral e Renato chegou a pedir para ele “diminuir a velocidade”, pois estava aprontando uma correria para cima da zaga baiana.

Na transferência, o Paraná terá uma compensação financeira – cogita-se que seria em torno de R$ 300 mil -e ainda manterá um pequeno percentual do atleta, caso o Grêmio venha a negociá-lo. Tissot usou a situação de Gilson como exemplo.

“Deixei o grupo à vontade. Se mais alguém quiser sair, é só falar. A partir desse instante, só vai vestir a camisa do Paraná quem estiver com a cabeça e o coração no clube”, afirmou.

O vice de futebol aproveitou para reafirmar a confiança no potencial do grupo. “Eles não fizeram aquela campanha nas sete primeiras rodadas ao acaso. Então, temos que recuperar o foco já tem que ser diante do América-RN”, arrematou Tissot.

Sobre a possível saída de Marcelo Toscano, foi taxativo: “Assim que a proposta for oficializada, fechamos o negócio. Simples assim”. O Vitória de Guimarães pretende pagar 500 mil euros por 50% dos direitos econômicos do jogador.