O Paraná Clube, mesmo com uma vitória na última rodada, não conseguirá superar a 9.ª colocação. Um quadro ruim para um time que esteve sempre “rondando” o G4, mas sem conseguir emplacar uma sequência de resultados que o levasse à área do acesso. Reflexo direto do desempenho ruim da equipe nos jogos fora de casa. Foram só seis pontos conquistados, em nove jogos realizados. “É o grande desafio que levo para o 2.º turno. Esse time tem potencial e precisa aprender a somar pontos na condição de visitante”, afirmou o técnico Ricardinho.

O treinador, mesmo avesso a projeções, sabe que para brigar pelo retorno à elite nacional, terá obrigatoriamente que mostrar um futebol mais competitivo longe de sua torcida. “Quanto aos jogos na Vila Capanema, estou absolutamente tranquilo. Mas, fora, temos que melhorar”, disse Ricardinho, após o empate por 1 x 1 com o ASA, em Arapiraca. “Mais uma vez, criamos várias oportunidades. Mas, está nos faltando maior ambição para fazer os gols”, comentou, usando como exemplo as muitas vezes em que a bola ficou “viva” na área alagoana e ninguém apareceu para definir a jogada.

Para Ricardinho, a única saída para o Paraná é vencer o clássico. “Assim, chegaríamos aos 29 pontos. Não é uma marca que me agrade, mas ao menos ficaríamos próximos daqueles 30 pontos, que os matemáticos consideram o número ideal”, analisou. Mesmo vencendo o Rubro-Negro, o Tricolor não superaria o rival na tabela de classificação. Chegaria aos mesmos 29 pontos, mas com uma vitória a menos. Para fechar na 9.ª posição, além de vencer o jogo do próximo sábado, o Tricolor dependeria de deslizes de América-RN e Ceará, que jogam contra ABC e Vitória, respectivamente.