O ativista ambiental Wangari Maathai, vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 2004, desistiu de participar do revezamento da tocha olímpica, em protesto pelos direitos humanos na China. Ele estava entre os escalados para o evento na Tanzânia, neste fim de semana.

"Essa Olimpíada, em vez de simbolizar um movimento de união, tornou-se divisora", afirmou Maathai. Para ele, o país – que receberá os Jogos em Pequim, entre 8 e 24 de agosto – não cumpre o papel que deveria nas tensões no Sudão, Tibete e Mianmar.

"A China pode fazer a diferença em todas essas questões, e é isso que o mundo todo está pedindo, com urgência, que eles façam", disse o ativista.

O revezamento da tocha olímpica tornou-se um processo traumático tanto para os organizadores dos Jogos quanto para o Comitê Olímpico Internacional (COI). Em Londres, Paris e San Francisco, os protestos fizeram o fogo ser apagado e até escondido do público – no caso da cidade norte-americana.