Ricardo Winicki, o Bimba, é o sétimo brasileiro classificado para o torneio de vela das Olimpíadas de Pequim.

O velejador carioca, medalha de ouro no Pan-Americano do Rio de Janeiro e no Mundial de Cascais, garantiu vaga ontem sem entrar na raia para disputar as duas regatas do dia da classe RS:X da Seletiva Brasil de Vela, disputada fora da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Com quatro vitórias em quatro regatas, Bimba foi beneficiado com a desistência de seu único adversário, o seu pupilo Albert Carvalho.

Antes de Bimba, 4.ª colocado nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, já haviam assegurado participação em Pequim Fernanda Oliveira e Isabel Swan, no 470 feminino; André Fonseca e Rodrigo Duarte, no 49er; e Fábio Pillar e Samuel Albrecht, no 470 masculino. ?A garantia da vaga é apenas mais uma etapa no projeto olímpico. Tenho muito treino e competição pela frente até os Jogos?, comentou o atleta. ?Achei melhor treinar com o Albert, com espanhol Ivan Pastor e o mexicano David Mier. Fiquei muito mais cansado hoje do que nas primeiras regatas oficiais.?

Os estrangeiros estão no Brasil a convite de Bimba para treinar em Búzios.

O espanhol é o 5.º do mundo e o mexicano ganhou a medalha de bronze no Pan-Americano do Rio de Janeiro. ?São adversários que exigem bastante e eu e o Albert podemos crescer.?

Albert Carvalho, de 19 anos, garantiu não ter pretensão de vencer o mestre. Ele começou a velejar na escolinha do campeão mundial, em Búzios, e competia na seletiva com equipamentos cedidos pelo próprio Bimba. ?Os treinos serão certamente mais úteis para mim e para o próprio Bimba?.

Com a definição do RS:X masculino, a seletiva, que começou no sábado, segue agora com apenas três classes em disputa: Finn, Star e RS:X feminina.

Bimba e Albert devem continuar velejando na entrada da Baía de Guanabara, mas sem competir, como já estão fazendo Fernanda e Isabel e Fonseca e Duarte.

Lars assume liderança

Divulgação/ZDL
Com quatro vitórias em
quatro regatas, velejador fica
com a vaga na classe RS:X.

Com duas vitórias nesta segunda, Lars Grael e Marcelo Jordão assumiram a liderança na classificação geral da classe Star, 11 pontos perdidos 2 a menos do que Robert Scheidt e Bruno Prada, que passaram para a 2.ª colocação. Menos inconstantes, as regatas foram disputadas com velocidade de vento de 6 a 10 nós.

?Tivemos um ótimo dia, em que tudo deu certo. Trocamos a vela grande e conseguimos maior velocidade. Além disso, fomos bem taticamente?, comemorou Lars Grael, dono de duas medalhas olímpicas de bronze no Tornado e que voltou à vela competitiva depois do acidente de 1998, em que perdeu a perna direita.

Lars, comedido, não quis nem comemorar a liderança. ?Ainda é muito cedo. Foram seis regatas de 14. Muito coisa ainda pode acontecer?, disse. ?Acho que a vaga vai ser disputada até o único dia. Estamos brigando com o Robert e com o Alan (Alan Adler, 3.º colocado).? Decepcionado, Robert não gostou de seu desempenho (um 3.º e um 4.º lugares). ?Tivemos um dia difícil em que cometemos uma sucessão de erros, principalmente na segunda regata. Vamos analisar o que fizemos de errado para tentar melhorar?, comentou o bicampeão olímpico e octacampeão mundial do Laser.