O momento pode não ser o melhor. Com salários atrasados, os jogadores do Vasco decidiram, pela segunda vez seguida, deixar se de concentrar antes da partida. Mas, a poucos dias da estreia pela Copa Libertadores, o torcedor vascaíno vai poder reencontrar a sua casa, neste domingo, às 17 horas, contra o Friburguense, pela quarta rodada da Taça Guanabara. O técnico Cristóvão Borges prometeu escalar força máxima.

Após o fim do Campeonato Brasileiro, o estádio de São Januário passou por reforma como a substituição das grades que separam o campo da arquibancada por vidros. Na próxima quarta-feira, no novo gramado, o Vasco voltará a campo pela Libertadores após 11 anos fora – contra o Nacional, do Uruguai. Contra o Friburguense, neste domingo, o time busca a quarta vitória seguida na temporada.

Para o meia Felipe, um dos líderes da equipe, o problema da falta de pagamento não vai prejudicar o time. Deixar de se concentrar e passar mais tempo com a família, segundo ele, ajudam a aliviar a tensão do jogo. “Não tenho preocupação com esse grupo. O comportamento tem razão de ser, porque os jogadores estão reivindicando. Quando a gente assume uma posição, tem responsabilidade”, disse.

Cristóvão Borges mais uma vez não vai poder escalar o goleiro Fernando Prass, que se recupera de corte no joelho. Ele quer usar o jogo para dar mais ritmo de jogo aos titulares, antes do início da Libertadores.