Não foi desta vez que o Santos pôde, enfim, respirar aliviado e se concentrar na classificação para a Copa Sul-Americana. O rebaixamento ainda é uma possibilidade depois da derrota para o Vasco por 1 a 0 – gol de pênalti cobrado por Edmundo -, neste sábado, em São Januário, pela 34.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O clube carioca dorme, assim, fora da zona de rebaixamento, na 15.ª posição, com 37 pontos, mas pode voltar caso Fluminense e Náutico vençam seus jogos neste domingo. Os santistas param nos 40 pontos e permanecem na 13.ª colocação, ainda na área de classificação da Sul-Americana.

“Foi um jogo igual. Não vi o lance do pênalti, mas já é passado. Temos que dar seqüência ao trabalho”, lamentou o técnico alvinegro Márcio Fernandes. “Agora não adianta reclamar de arbitragem senão tomamos punição. Eu nem encostei no Jonílson e ele deu o pênalti”, reclamou Molina.

O Santos começou com dificuldades na saída de bola e o Vasco impunha ritmo rápido dentro de casa, levando mais perigo ao gol de Fábio Costa. O ataque vascaíno era especialmente envolvente atacando pela esquerda da defesa santista, nas costas de Kleber.

Curiosamente, o primeiro lance de emoção surgiu pelo lado santista, quando Kléber Pereira tentou cruzar e mandou a bola no poste direito de Rafael, aos 11 minutos.

Mas o Vasco partia para cima, sempre pela direita, e depois de boa jogada de Madson, aos 15, Wagner Diniz cruzou para Jorge Luiz chutar para bela defesa da Fábio Costa. No rebote, o mesmo Jorge Luiz tentou novamente, para nova intervenção do goleiro santista.

Aos poucos, o clube paulista foi segurando o ímpeto cruzmaltino e equilibrou as ações, pressionando um pouco mais a fraca defesa dos anfitriões. O Santos cadenciava a partida e o ritmo caiu muito até o fim da primeira etapa. “Temos que ir mais para cima. Mas o juiz também está segurando muito a partida”, reclamou Kléber Pereira.

Com os uniformes trocados para o segundo tempo, o Vasco voltou melhor, logo desperdiçando boa chance com Leandro Amaral. Já o time do técnico Márcio Fernandes, agora jogando de camisas brancas, mostrava claramente que estava satisfeito com o empate e administrava o resultado.

O nível técnico caiu muito, com as equipes errando muitos passes. O Santos fazia uma leve cera, enquanto o Vasco tentava impor rapidez ao jogo. Eis que, aos 25 minutos, o árbitro goiano Elmo Alves Resende Cunha viu pênalti de Molina em Jonílson, em lance rápido e extremamente duvidoso. Edmundo, que já perdeu muitas penalidades decisivas, desta vez deslocou Fábio Costa e abriu o placar.

Agora, os visitantes mostravam pressa. Aos 30, Rafael fez difícil defesa em chute forte de Lima. Quatro minutos depois, Molina reclamou muito de um suposto pênalti de Jorge Luiz. Sem força ofensiva, o Santos se deixou levar pelo toque de bola vascaíno e pouco ameaçou a meta de Rafael até o apito final.

Ficha técnica

Vasco 1 x 0 Santos

Vasco – Rafael; Eduardo Luiz, Jorge Luiz e Odvan (Edmundo); Wágner Diniz, Jonílson, Mateus (Leandro Bomfim), Madson e Rodrigo Antônio; Alex Teixeira (André) Leandro Amaral. Técnico: Renato Gaúcho.

Santos – Fábio Costa; Wendel, Domingos, Fabiano Eller e Kleber; Adriano, Rodrigo Souto, Bida (Wesley) e Molina (Pará); Nelson Cuevas (Lima) e Kléber Pereira. Técnico: Márcio Fernandes.

Gol – Edmundo (pênalti), aos 27 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos – Alex Teixeira (Vasco); Kléber Pereira, Rodrigo Souto, Fábio Costa e Domingos (Santos).

Árbitro – Elmo Alves Resende Cunha (GO).

Renda – R$ 277.990,00.

Público – 25.070 pagantes.

Local – Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro (RJ).