Valnei já participou
dos treinos físicos.

Finalmente! Até que enfim apareceu no CT do Caju o zagueiro Valnei, anunciado pela diretoria do Atlético no pacotão do dia 2 de janeiro. Após quase duas semanas tentando se desvencilhar das confusões políticas do Flamengo, ele conseguiu a sua liberação e se apresentou ontem ao novo clube. Hoje, é a vez do meia Raulen se apresentar ao Rubro-Negro e começar a trabalhar na pré-temporada.

?A demora (na apresentação) foi por causa do Flamengo. Eles demoraram a assinar a minha rescisão, houve mudança de presidente e o novo foi para Brasília, mas agora já está tudo certo?, garante o zagueiro. Após defender o Santa Cruz e o rubro-negro carioca, o atleta sonha em voltar a aparecer no cenário nacional vestindo a camisa do Furacão. ?Agora é esquecer o Flamengo, pensar no Atlético, fazer um bom trabalho e ter bastante sucesso aqui no clube?, aponta.

Além de vida nova, Valnei quer esquecer o último ano, no qual praticamente não jogou. ?A minha passagem pelo Flamengo foi turbulenta porque o clube é muito polêmico, tem muita política, todo mundo quer ser dono do Flamengo, a transação foi mal feita. Eu estava fora disso, fui prejudicado e agora quero fazer meu trabalho no Atlético e esquecer tudo isso?, explica.

Em Curitiba, o jogador sabe que terá muitas cobranças, mas não foge das responsabilidades. ?Eu estou acostumado com isso. No Santa Cruz e no Flamengo foi assim e no Atlético também vai ser. A torcida tem que cobrar mesmo, nós somos pagos para isso e temos que fazer um bom trabalho?, discursa.

Apresentação

Hoje, será a vez no último reforço aparecer no CT atleticano. O meia Raulen, que estava no São Caetano e foi trocado por metade dos direitos federativos do zagueiro Gustavo, é esperado para iniciar os trabalhos de pré-temporada. Com mais esta contratação, o Rubro-Negro praticamente encerra o período de contratações. No entanto, caso apareça um jogador acima da média, a diretoria pode abrir uma exceção.

US$ 1 milhão, para Kléber, só em 2005

O irmão do atacante Kléber, Daniel Pereira, assumiu a responsabilidade da carreira do jogador e mudou a postura na cobrança de US$ 1 milhão do Atlético. O valor é referente aos direitos que o atleta tinha na transferência da Baixada para o Tigres, do México, no início do ano passado. Agora, o novo procurador do artilheiro alega que a dívida só vence no ano que vem e que a não-reapresentação do craque não tem relação com dinheiro. Para continuar no Maranhão, o representante alega que o jogador precisa cuidar de um parente ?doente?.

?O que o Atlético deve ao Kléber é esse valor que é da venda dele, mas que está no documento que só vence em 2005. O Kléber assinou e está consciente disso?, explicou Pereira em entrevista à rádio CBN. De acordo com ele, o Tigres parcelou a compra do atacante e continua pagando ao Rubro-Negro. ?O Tigres ainda deve duas parcelas ao Atlético e, desse dinheiro, a última parcela será a do Kléber?, revelou.

De acordo com o novo procurador de Kléber, o rompimento com o ex-procurador, Hamilton Lacerda, será resolvido ?na conversa?. ?A gente está tentando resolver numa boa e vai levar até onde puder na conversa. Para acertar o que é melhor para o Kléber e para o próprio Hamilton?, prometeu.

Futuro

Enquanto permanece no Maranhão, Pereira aguarda uma determinação do clube mexicano para saber qual será o destino do atacante. ?(A permanência no Brasil) é questão de problema familiar que o jogador está resolvendo. Por outro lado, o Kléber ainda não retornou devido ao treinador (Nery Pumpido), que não se dá muito bem com o Kléber e vice-versa?, apontou. Enquanto isso, eles aguardam uma proposta concreta de uma equipe brasileira. ?O problema é que o Tigres está pedindo muito alto para liberar o jogador. Se não tiver nenhum acordo esta semana, o Kléber retornará ao México?, finalizou.