A 3.ª colocação no Brasileiro, o vice da Copa do Brasil e conquista da vaga na Libertadores não foram suficientes para convencer a diretoria do Atlético a renovar o contrato do técnico Vagner Mancini. Faltando um mês para o início da disputa da competição continental, o Furacão corre atrás agora de um substituto. Com poucas opções no mercado brasileiro, o técnico uruguaio Gustavo Matosas, de 46 anos, ex-jogador do Rubro-Negro na década de 90, e atual comandante do León, do México, é o principal nome para comandar o time em 2014.

Além de ser um sonho antigo do presidente Mário Celso Petraglia, outros indícios aumentam as chances de acerto com Matosas. Jovem, dentro da realidade financeira do clube e vindo do mercado sul-americano, o uruguaio se encaixa bem no perfil de profissional que a diretoria gosta de trabalhar. Além disso, Matosas tem um bom relacionamento com Petraglia, principalmente nos anos de 1995 e 1996, quando atuou no meio de campo do Atlético. Na ocasião, Petraglia era o presidente.

Se for confirmado como novo comandante para as disputas da Libertadores, da Copa do Brasil e do Brasileiro do ano que vem, Matosas chegará com prestígio. Depois de treinar equipes do futebol uruguaio e de ser campeão nacional de 2007 pelo Danúbio, o técnico se destacou mesmo no futebol mexicano. Pelo León, no ano passado, conquistou a ascensão para a elite e, neste ano, comandou o time campeão do Campeonato Mexicano.

Pouco valorizado

Depois do meio-campo Paulo Baier, que mesmo sendo fundamental no ano de sucesso do Atlético em 2013 foi dispensado pela diretoria atleticana, foi a vez do técnico Vagner Mancini sentir na pele a falta de valorização dentro do clube. Principal responsável pela ascensão do Furacão no Campeonato Brasileiro, quando tirou a equipe da zona de rebaixamento e colocou no G4 da competição nacional, o treinador, apesar de manifestar o desejo de ficar no clube, foi informado no final de semana que não teria seu vínculo renovado para a próxima temporada.

Vagner Mancini substituiu Ricardo Drubscky no comando da equipe no início de julho e, além de espantar a crise do CT do Caju, se tornou um dos ídolos da torcida em 2013. Nos 41 jogos que esteve no comando do time, foram 20 vitórias, 12 empates e apenas 9 derrotas, totalizando aproveitamento de 58%. Com isso, Mancini aparece com o quarto melhor rendimento dos últimos dez técnicos que passaram pelo Furacão. O ex-treinador atleticano está atrás somente de Geninho (83%), em 2011, Juan Ramón Carrasco (68%), e Ricardo Drubscky (66%), ambos no ano passado.

Prestigiado no comando do Atlético e ovacionado diversas vezes pelo torcedor durante as partidas na Vila Capanema, Mancini teve seu trabalho questionado pelo presidente Mário Celso Petraglia ainda no vestiário do Maracanã, logo depois da derrota por 2×0 para o Flamengo, que culminou com a perda do título da Copa do Brasil. A partir daí a relação entre o então técnico e o mandatário atleticano ficou estremecida, culminando, anteontem, com o anúncio do encerramento do ciclo de Vagner Mancini dentro do clube.