O Uruguai está com a classificação para as semifinais da Copa das Confederações bem encaminhada sem ter ainda feito uma atuação convincente no torneio. Na estreia diante da Espanha, foi amplamente dominado pelo adversário e depois, contra a Nigéria, apesar da vitória, teve desempenho irregular. Neste domingo, às 16 horas, na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata (região metropolitana do Recife), no entanto, chegou a hora de ir à forra.

Diante do fraquíssimo Taiti, a expectativa é de uma goleada acachapante, assim como já ocorreu nos dois primeiros jogos dos campeões da Oceania, quando sofreram nada menos do que 16 gols e balançaram a rede apenas uma vez. Para o Uruguai se classificar, precisa apenas bater o Taiti e a Nigéria não ganhar da Espanha. Caso os africanos surpreendam os campeões do mundo, a vaga será decidida no saldo de gols.

Para não correr riscos, o técnico Óscar Tabárez já pediu aos seus jogadores que tentem fazer a maior quantidade de gols possível. Para isso, ele deve escalar o seu poderoso trio de ataque formado por Cavani, Luis Suárez e Diego Forlán. O único desfalque certo é o zagueiro Lugano, suspenso pelo segundo cartão amarelo. É possível, no entanto, que o treinador poupe outros jogadores já de olho na semifinal.

A partida deste domingo será um treino de luxo para a equipe. Para a próxima fase da competição, o principal desafio de Tabárez é dar equilíbrio à equipe. Em vários momentos das partidas contra Espanha e Nigéria, meio de campo e ataque ficaram desconectados. A única maneira de a bola chegar aos atacantes era com chutões dos defensores e, assim, a bola era facilmente recuperada pelo adversário. “Ainda não mostramos um grande futebol”, admitiu Luis Suárez.

O que o treinador pretende é que os homens de meio de campo se aproximem mais dos atacantes, sem deixar a defesa desprevenida. Dessa maneira, a bola chegaria mais “limpa” para Cavani, Luis Suárez e Diego Forlán, que não costumam desperdiçar boas oportunidades de gol.

TORCIDA – São esperadas 25 mil pessoas na Arena Pernambuco neste domingo – a capacidade é de 46 mil torcedores. A ampla maioria deve apoiar a seleção do Taiti, que recebeu várias demonstração de carinho dos pernambucanos desde a sua chegada ao Recife, na tarde da última sexta-feira. O lateral-direito uruguaio Maxi Pereira, porém, dá de ombros para a torcida. “Não vejo nenhum problema de ter a torcida contra. As pessoas devem apoiar quem achar melhor”, disse.

Os taitianos, porém, só pensam em retribuir o apoio na despedida da equipe. “Vamos tentar fazer o nosso melhor”, prometeu o capitão Nicolas Vallar.