Fotos: Valquir Aureliano

Macuglia defende uma invencibilidade de sete jogos consecutivos.

Será um verdadeiro tira-teima entre Coritiba e Paraná Clube. Além de estarem empatados no histórico dos confrontos, as duas equipes têm no clássico das 16h, no Alto da Glória, uma oportunidade de provarem algumas coisas na abertura da segunda fase do Campeonato Paranaense.

Depois de um início de temporada turbulento, o Coxa começou a se firmar como uma equipe competitiva justamente quando venceu o time da Vila na primeira fase do paranaense. Teve alguns tropeços depois, é verdade, mas com a chegada de reforços mais experientes deu o equilíbrio que o time precisava para começar a deslanchar também na Copa do Brasil. No entanto, o Coritiba precisa enfrentar uma prova de fogo como o Paraná para comprovar mesmo que a boa fase é uma realidade ou que a invencibilidade veio através de confrontos com equipes modestas.

Zetti quer provar que as turbulências sofridas já estão superadas.

O mesmo desafio vale para o tricolor, mas na ordem inversa. Se no estadual o time foi muito irregular alternando equipe A e B (inclusive perdeu para o alviverde com, os reservas), as grandes vitórias pela Libertadores faziam crer que a equipe iria deslanchar quando unisse todas as forças numa mesma disputa. No entanto, os comandados do técnico Zetti patinaram diante do Atlético e do Flamengo em plena Vila Capanema. Foi o suficiente para deixar os paranistas com a pulga atrás da orelha, que só deve sair com uma vitória convincente no clássico de hoje.

Com televisionamento para todo o Estado, o Coritiba colocou apenas 9 mil ingressos para sua torcida e 1,2 mil (com opção para mais 800) para os torcedores do tricolor, que podem comprar a entrada até as 14h30 na sede da Kennedy.

Mandante, Coritiba tem a obrigação de ganhar

Pedro Ken vai ajudar na marcação quando o adversário tiver a bola.

?Numa competição curta e jogando em casa, tu sempre tem a obrigação de ganhar.? As palavras são do técnico Guilherme Macuglia, que mostram bem o que o Coritiba quer no clássico de hoje contra o Paraná Clube.

Além de poder largar bem na abertura da segunda fase do campeonato paranaense, o Alviverde quer os três pontos para manter a boa fase e ir com moral para Rondônia enfrentar o Ulbra/RO pela Copa do Brasil, quarta-feira, em Ji-Paraná. ?Apesar de ser um confronto dentro da cidade, a obrigação maior é de quem joga em casa?, acrescenta.

Por isso, com a suspensão de Rodrigo Mancha (pelo terceiro cartão amarelo), o treinador do Coxa resolveu dar um pouco mais de criatividade ao meio optando pela entrada de Geraldo. ?Nós pensamos bem em encaixar as características. Se variássemos para o 3-5-2 com o Douglão, teríamos uma bola aérea mais eficiente, mas como o Geraldo jogou em momentos bons da equipe nós substituímos um por outro, que também já vinha jogando?, justifica Macuglia.

No entanto, tanto Geraldo quanto Pedro Ken terão que ajudar mais na marcação. ?No momento, a nossa equipe é a única que está jogando com um volante apenas. Claro que o Pedro é um jogador inteligente, tem ajudado muito os volantes na marcação e, com a entrada do Geraldo, há um comprometimento maior dos outros jogadores?, explica. Tudo isso para que Marlos tenha mais liberdade para chegar à frente e encostar em Eanes e Keirrison – os atacantes titulares, que a partir de agora terão que encarar a ?nova? sombra, o colombiano Muñoz, que será apresentado amanhã no Alto da Glória.

Sem mistério, o treinador já confirmou que o restante da equipe é o mesmo que vinha atuando nos outros jogos. E ele nem se preocupa em revelar antes o time para o adversário. ?Os treinadores hoje conhecem quase todos os adversários e, se nós criarmos um mistério, isso é dizimado na escalação. Não tem porque esconder a equipe porque fizemos um bom trabalho durante a semana e sabemos as dificuldades que vamos enfrentar?, finaliza Macuglia, muito diferente do treinador pressionado das semanas anteriores.

Paraná Clube precisa retomar o embalo hoje

Irapitan Costa

Vinícius Pacheco pode ser titular no ataque do Paraná Clube.

O Paraná Clube entra em campo hoje em busca de afirmação. Uma situação curiosa, diante do desempenho da equipe na temporada. Bem colocado na Libertadores, o tricolor estréia na segunda fase do paranaense tentando a sua primeira vitória num clássico, nesta temporada. O tropeço frente ao Flamengo abriu antigas feridas, já que na primeira fase do estadual o time de Zetti havia sido derrotado por Coritiba e Atlético. Sobre o mesmo tema, o próprio treinador confirma que ainda espera a ?grande atuação? da equipe no ano.

Uma vitória hoje, além de abrir caminho para a classificação do Paraná às semifinais do estadual – na seqüência o clube terá dois jogos em casa, contra Adap Galo e Cascavel -, serviria de impulso para a revanche da próxima quarta-feira, no Rio de Janeiro, frente ao Flamengo, pela Libertadores da América. Mais do que isso, seria o fim de um incômodo jejum de quase onze anos. O tricolor não vence o rival, no Couto Pereira, desde julho de 1996. Naquele ano, com um gol de Ricardinho (hoje no Besiktas), o clube comemorava o inédito tetracampeonato estadual. Desde então, foram dezessete jogos, com cinco empates e doze vitórias do Coritiba.

Pouco apegado a retrospectos, Zetti prefere focar exclusivamente a preparação do seu time. Mesmo com tropeços nos dois clássicos da temporada (um deles, frente ao Cori, com o time reserva) e o recente revés frente ao rubro-negro carioca, o treinador destaca o saldo positivo do Paraná na temporada, que vem administrando com alguma folga as duas competições. ?Temos tudo para nos classificarmos às oitavas-de-final da Libertadores. E, o verdadeiro paranaense começa agora?, frisou o treinador, que só demostra uma preocupação no recente desempenho do time: a falta de pontaria.

Chance para Vinícius Pacheco entrar numa briga direta pela condição de titular. Zetti preferiu não oficializar o ataque da equipe, mas há a real possibilidade de Pacheco ser lançado no time, ao lado de Henrique. A comissão técnica, além da estratégia para o jogo, tenta traçar uma linha de ação para evitar um desgaste excessivo de alguns jogadores, como o artilheiro Josiel. As outras novidades são João Paulo e Éverton. O zagueiro entra na vaga de Daniel Marques, que será poupado devido ao desgaste físico das últimas partidas. Já Éverton é a aposta de Zetti para garantir ritmo à equipe, que mais uma vez não contará com Dinelson, lesionado.

CAMPEONATO PARANAENSE

2ª FASE – 1ª RODADA

CORITIBA x PARANÁ CLUBE

CORITIBA

Artur; Anderson Lima, Henrique, Leandro e Douglas Silva; Juninho, Geraldo, Pedro Ken e Marlos; Eanes e Keirrison.

Técnico: Guilherme Macuglia.

PARANÁ

Flávio; André Luiz, João Paulo, Neguete e Egídio; Xaves, Beto, Gérson e Éverton; Henrique e Josiel (Vinícius Pacheco).

Técnico: Zetti.

SÚMULA

Local: Couto Pereira (Curitiba).

Horário: 16h.

Árbitro: Evandro Rogério Roman.

Assistentes: Francisco Aurélio do Prado e Dirceu Elói Comin.