Após consolidar por dez rodadas seguidas uma posição no G8 da Série B, o Paraná Clube caiu para o 10.º lugar. Resultado das oscilações recentes, onde o time somou apenas quatro pontos em quatro jogos. Esta é a pior colocação do Tricolor desde a 6.ª rodada. Um quadro que acende a “luz de alerta” no clube, que tem como grande desafio nesta temporada a volta à elite do futebol brasileiro. Ricardinho quebra a cabeça na busca por alternativas que devolvam à equipe o perfil vencedor de um passado bem recente.

Na visão da comissão técnica, fica muito clara a instabilidade do time em se tratando de jogos fora de casa. Mas, como explicar a péssima jornada frente ao Ipatinga? Afinal, o jogo no interior mineiro se transformou no grande “pesadelo” do Paraná. Tentando se firmar na briga pelo acesso, o Tricolor deu mole e perdeu de forma vexatória para uma das piores equipes da Série B. Um comportamento que tirou Ricardinho do sério. “Foi vergonhoso. Perdemos porque o adversário teve, durante todo o jogo, mais vontade do que a gente”, alfinetou.

Pois é exatamente uma reação emocional que o treinador quer no jogo de amanhã, às 21h, em Arapiraca. O Paraná tem pela frente o ASA, que, a exemplo do Ipatinga, também faz uma campanha de sobrevivência na Segundona. Só que ao contrário do time mineiro, já tem 17 pontos e está fora da ZR. “Temos que tirar da cabeça das pessoas essa ideia de que somos um time de pijama. E só vamos conseguir isso com um resultado positivo em Arapiraca”, disse Luisinho, visivelmente incomodado com o momento atual do time, que vem sofrendo mudanças e mesmo assim não tem tido o mesmo desempenho linear do início da competição.

Mesmo com alguns tropeços nas rodadas iniciais quando ainda dividia atenções com a Segundona Paranaense, o Tricolor impressionava pelo equilíbrio tático. Tanto que a comissão técnica “reprovou” o time somente em uma jornada (a derrota para o Goiás). Só que a postura apática da última jornada fez Ricardinho eleger a partida em Ipatinga como a pior do seu time nesta temporada. “A reação tem que ser imediata. E tenho certeza que será. Esse grupo não aceita fazer dois jogos ruins em sequência. Além disso, sabemos que para subir, que é o nosso objetivo, não se pode contar apenas com os pontos em casa”, afirmou Ricardinho.

O Paraná faz, amanhã, seu último jogo fora neste primeiro turno. Porém, na segunda metade da competição, serão dez jogos como visitante. E, para subir, o Tricolor terá que apresentar um rendimento superior aos atuais 49%.