Bruxelas – A luta pelo poder no futebol mundial ganha novas dimensões, pelo menos fora dos campos. Ontem, a Uefa (União Européia de Futebol) aprovou uma resolução entre suas 52 associações nacionais condenando o G-14, grupo dos clubes mais ricos da Europa. Os dirigentes das equipes entraram com um processo, no início da semana, em uma corte belga pedindo que federações nacionais indenizem os clubes por eventuais lesões em jogadores que sejam emprestados às seleções nacionais.

Para a Uefa, que ontem mesmo ganhou o apoio da Fifa, a justiça comum não deve ser usada para solucionar diferenças no esporte. Pela resolução da entidade, toda equipe tem a obrigação de liberar seus jogadores para os times nacionais.