Mônaco (Warm-Up) – Jarno Trulli, notório azarado da F-1, que em 116 GPs conseguiu subir no pódio apenas três vezes, fez ontem a primeira pole-position de sua carreira. E já entrou para a história. Nunca um piloto que fez pole levou tanto tempo para conquistar a primeira. Antes dele, o recordista de espera era Thierry Boutsen, que só foi obter um primeiro lugar no grid depois de 114 corridas, na Hungria, em 1990.

E Trulli teve seu dia de glória no circuito mais importante de todos, em Mônaco. Fez uma volta mágica em 1min13s985 e desbancou, com seu Renault azul e amarelo, a favoritíssima Ferrari de Michael Schumacher, líder do Mundial com cinco vitórias em cinco corridas.

O alemão, que fora o mais rápido em todos os treinos em Monte Carlo desde a quinta-feira, começou a se complicar na pré-classificação. Ficou em 14.º, o que fez com que fosse o sétimo a fazer volta lançada na sessão que definiu o grid. “Foi bem pior do que eu esperava”, disse Schumacher, que busca sua sexta vitória no Principado, tentando igualar o recorde de Ayrton Senna.

Para ele, faltou aderência na pista, o que explica o quinto tempo, 0s531 atrás de Trulli. O ferrarista, no entanto, larga em quarto, porque o segundo mais rápido do dia, Ralf Schumacher, perdeu dez posições no grid por ter trocado o motor quinta-feira e despencou para 12.º.

Trulli exultou com a pole. “Estou felicíssimo”, disse, com seu visual modernoso adotado desde o início do ano ? cabelos com reflexos loiros e amarrados no alto numa “chuquinha”, com uma faixa azul contornando tudo. Estilo que nem todos apreciam. “Eu mandaria ele tirar aquela chuquinha”, brincou Rubens Barrichello, quando um repórter pediu que ele enviasse um recado a Jarno parabenizando-o pela primeira pole.

O italiano da Renault disse não saber direito por que anda bem em Mônaco. “Acho que tem a ver com os pneus, mas a verdade é que nos dois últimos trechos da pista, minha volta foi quase perfeita. Fiquei impressionado”, espantou-se.

A Michelin lavou a alma ontem, colocando Button, da BAR, em segundo, e o companheiro de Trulli, Alonso, em terceiro. Barrichello larga em sexto. “Vai ser difícil conseguir um bom resultado largando tão atrás, mas em ritmo de corrida acho que estaremos bem”, falou o brasileiro.

É a primeira vez desde o GP da Hungria de 2003 que não há pelo menos uma Ferrari na primeira fila de uma corrida. E um italiano na pole era algo que não se via desde o distante GP da Áustria de 1998, com Fisichella. A prova de hoje começa às 9h e terá 78 voltas.