A definição do local onde o Atlético jogará no Campeonato Brasileiro já se transformou em uma novela no mínimo tragicômica. A partida de sexta-feira, frente ao Grêmio Barueri está marcada para a Vila Capanema. Porém, até ontem, não houve nenhum contato da cúpula atleticana para a definição do valor do aluguel. Caso não haja um acerto até hoje, o Paraná Clube pode não abrir os portões da Vila Capanema. “Estamos à espera de um contato. Se isso não acontecer, teremos que notificar o Atlético e estabelecer um valor mesmo sem negociação”, explicou o superintendente do Paraná, Celso Bittencourt.

Independentemente do que venha a ocorrer, o Tricolor só irá liberar o seu estádio mediante pagamento adiantado ou garantias por parte da Federação Paranaense de Futebol. “Não sei o porquê dessa postura deles (dirigentes atleticanos) pois tudo transcorreu normalmente na negociação para o Paranaense e para a Copa do Brasil”, emendou Bittencourt. O diretor paranista disse que ontem ligou para o diretor administrativo do Atlético, Fernando Delek, tentando antecipar alguns detalhes quanto à logística do estádio para o jogo de sexta. “Só que em momento algum falamos em valores”, garantiu Celso Bittencourt.

O superintendente se disse surpreendido com a nota oficial postada ontem no site do Atlético, segundo a qual o Paraná Clube teria pedido valores fora da realidade do mercado pelo aluguel do Durival Britto. “A última conversa sobre valores ocorreu quando do acerto para a Copa do Brasil. Não tínhamos e não temos interesse em alugar a Vila para o Brasileiro”, destacou. No Campeonato Paranaense, o Paraná recebeu R$ 50 mil por jogo. Já na Copa do Brasil, este valor teria passado para R$ 75 mil – números não confirmados pelos paranistas.