O jogo é só amanhã, mas o Paraná Clube já está preocupado com o apito. A indicação do pernambucano Wilson de Souza Mendonça caiu como uma bomba em Vila Capanema.

Não houve quem não torcesse o nariz. O departamento jurídico do clube encaminhou um ofício à Comissão Nacional de Arbitragem, oficializando sua preocupação e pedindo providências.

“Queremos que haja uma análise precisa dos observadores da Conaf. O histórico desse árbitro é preocupante”, lembrou o assessor jurídico do clube, Alessandro Kishino.

O Tricolor teve o cuidado de juntar reportagens dos muitos “equívocos” cometidos por Wilson de Souza Mendonça, que um dia já integrou o quadro da Fifa. No ano passado, o árbitro teve um desempenho questionável num jogo em que o Paraná perdeu (2×0) para o Goiás, no Serra Dourada.

O dossiê, no entanto, vai além. No campeonato pernambucano, um jogo sob a direção de Mendonça foi parar nos tribunais e teve seu resultado alterado. Tudo porque o árbitro invalidou um gol legítimo do Vera Cruz, diante do Central, pois não viu que a bola furou a rede.

Na atual temporada, Wilson de Souza Mendonça dirigiu cinco jogos pela Série A. É também um dos que mais atuaram na Segundona, com sete jogos, contra oito de Ricardo Marques Ribeiro-MG.

O árbitro, como sempre, teve seu nome ligado a polêmica. Na última rodada do primeiro turno, o ABC derrotou o CRB, no Frasqueirão, por 1×0, num gol de pênalti polêmico, segundo a imprensa local.

A cautela é justificada. No primeiro turno, o Paraná teve sérios problemas num jogo, coincidentemente, em Natal. Na derrota (3×2) para o América-RN, a arbitragem do paraibano Émerson Batista da Silva foi um desastre. Na oportunidade, o presidente tricolor ainda teve que se explicar ao STJD, por declarações contra o juiz da partida.

“Tomamos as precauções que estavam ao nosso alcance. Agora é torcer para que não haja nenhum problema neste jogo”, arrematou o gerente de futebol Valberto Amorim.