Com pelo menos uma semana de atraso – a partir de prazo estabelecido pelo próprio presidente Rubens Bohlen -, o Paraná Clube deverá, enfim, anunciar o seu técnico para a temporada 2014. Com a diretoria atuando em várias frentes, inclusive na captação de recursos para fechar a temporada sem pendências, a contratação do substituto de Dado Cavalcanti acabou ficando em segundo plano. O Tricolor é um dos poucos clubes da Série B do ano que vem que ainda segue sem treinador definido.

Das doze equipes que seguem na Segundona, apenas Paraná e Boa Esporte estão sem técnico. O mesmo se aplica aos quatro rebaixados na Série A. O Náutico terá eleições no próximo fim de semana e somente após a definição política é que dará encaminhamento na busca por um treinador. O Vasco pretende renovar com Adílson Batista, enquanto o Fluminense (com atenções voltadas para o tapetão) ainda não definiu um substituto para Dorival Júnior. Só a Ponte Preta tem uma situação encaminhada com Jorginho, mas ainda depende de ajustes financeiros.

Emergentes

Até mesmo os quatro clubes que garantiram acesso já definiram suas comissões técnicas, apostando na permanência dos profissionais que atingiram os objetivos na Série C. Vica (Santa Cruz), Flávio Araújo (Sampaio Correa), Heriberto da Cunha (Vila Nova-GO) e Júnior Rocha (Luverdense) renovaram seus vínculos por mais uma temporada.

Na prática, o ‘mercado’ envolvendo as equipes da Série B do ano que vem não foi agitado no que diz respeito a treinadores. Nos remanescentes deste ano, a diretriz foi priorizar a continuidade. Sérgio Soares (Ceará), Silas Pereira (América-MG), Marcelo Veiga (Bragantino), Leandro Sena (América-RN), Roberto Fernandes (ABC) e Luís Carlos Martins (Oeste) tiveram seus contratos renovados. Somente três contratações foram efetivadas. O Joinville acertou com Hemerson Maria (ex-Avaí), o Avaí fechou com Sidney Moraes (ex-Icasa) e o Atlético-GO apostou em Marcelo Martelotte (ex-Náutico). O Icasa optou por uma ‘solução caseira’, efetivando Roni Araújo para a disputa do Campeonato Cearense.

Perfil

‘Temos alguns nomes em pauta. Acredito que vamos definir essa questão ainda esta semana’, disse o vice de futebol Celso Bittencourt, evitando citar nomes. O Paraná estaria trabalhando com três ou quatro opções, todas seguindo um mesmo perfil: um técnico jovem e com mentalidade moderna, capaz de elaborar um trabalho bem planejado, mesclando a base já existente com vários garotos da base.