Salvar a reputação, ou pelo menos o que resta dela, é o objetivo de Camarões nesta segunda-feira contra o Brasil, em Brasília. Com a seleção em crise, desclassificada da Copa do Mundo e jogando apenas para cumprir tabela, os jogadores querem ao menos fazer uma despedida digna. “Ninguém quer sair do Brasil deixando impressão ruim. Tudo o que queremos é fazer uma boa partida”, disse o técnico alemão Volker Finke, neste domingo, em entrevista coletiva no estádio Nacional Mané Garrincha, local da partida.

O treinador, que provavelmente será demitido quando a delegação retornar ao país africano, disse ter conseguido fazer os jogadores retomarem o espírito de competição. “Nos dois últimos treinos, percebi esse espírito. Vamos jogar como se fosse uma partida decisiva para nós. Eu preparei a equipe para isso”.

Constrangido com as perguntas sobre o fracasso da seleção, Volker Finke só alterou o tom ao ter de responder sobre a suspeita de que o resultado da partida pode ser manipulado por apostadores. Foi a própria Fifa que levantou tal hipótese – depois se retratou -, por entender que os jogadores camaroneses estariam vulneráveis após a eliminação. “Conheço um pouco a minha equipe e isso seria impossível”, disse o técnico alemão, em tom duro. “Não há esse tipo de suspeita na minha equipe”.

Volker Finke confirmou que a estrela de Camarões, Samuel Eto’o, não inicia a partida. O atacante tem problemas no joelho e talvez entre durante o jogo. O lateral-esquerdo Ekotto, que agrediu o meia Moukandjo no jogo contra a Croácia, na última quarta, em Manaus, deve ser barrado.