Torcedores do Botafogo protestaram, no final da noite de segunda-feira, contra a possível – e provável – saída do atacante Vitinho do clube. Eles picharam a sede do clube na rua General Severiano com inscrições contra Maurício Assumpção, presidente botafoguense, e também com frases ofensivas ao atleta.

Houve pichações também no Engenhão, estádio concedido pela prefeitura do Rio ao time alvinegro e que está interditado. Nesta manhã de terça-feira, dois carros da Polícia Militar estavam parados em frente à sede do clube, no bairro de Botafogo, e também havia no local dois seguranças botafoguenses.

Principal revelação desta edição do Campeonato Brasileiro, Vitinho, de apenas 19 anos, está muito próximo de ser anunciado como novo reforço do CSKA Moscou. O clube russo promete pagar a multa contratual do atacante, estipulada em 10 milhões de euros (cerca de R$ 31 milhões), deixando o Botafogo sem condições de segurá-lo no Brasil. E a falta de um planejamento melhor da diretoria para ficar com o jogador por um tempo maior acabou revoltando os torcedores.

Por causa da negociação em curso com o CSKA Moscou, o jogador deve ficar fora, inclusive, do confronto desta quarta-feira contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. No duelo de ida, na semana passada, no Rio, Vitinho foi o autor do quarto gol botafoguense na vitória por 4 a 2 sobre o rival.

Caso realmente negocie Vitinho, o Botafogo terá direito a 60% do total do valor pago pelo CSKA, enquanto os outros 40% pertencem ao Audax-RJ, clube formador do atleta. O Botafogo, entretanto, pode se ver obrigado a ceder o montante da transação, tendo em vista as penhoras impostas pela Receita Federal. Endividado, o clube já teve bloqueado o dinheiro das transferências de Fellype Gabriel e Andrezinho, negociados recentemente, e o mesmo deverá ocorrer em relação a Vitinho.