A maior torcida organizada do Atlético há alguns jogos vem pegando no pé do ala Netinho, que sequer tem seu nome gritado antes do início das partidas, saudação característica da Os Fanáticos (TOF) há muitos anos.

Rafael Moura, na semana passada, saiu em defesa do companheiro e como retaliação teve seu nome excluído da cantoria no último domingo. Outros jogadores também têm sido questionados e vaiados em campo pelo torcedor em geral.

Numa nota oficial, a organizada Os Fanáticos explicou que grita o nome dos jogadores que merecem vestir a camisa rubro-negra, no entender deles, e que o atacante Rafael Moura “deveria se preocupar em jogar futebol e não se meter em assuntos da torcida”.

A TOF também critica os torcedores chamados de cornetas que vão ao estádio só para criticar. “Nós estamos lá (arquibancada) com o intuito de incentivar e apoiar durante os 90 minutos, cantando e vibrando sem parar, mas de maneira nenhuma vamos enaltecer o trabalho de quem não está merecendo”, cita o comunicado.

Nesta resta final de competição, onde os próximos jogos são clássicos decisivos, vale ao torcedor comum avaliar o recado dado por Geninho e seguir o conselho da Os Fanáticos: incentivar para depois cobrar.