Foto: Valquir Aureliano
Atacante (alongando com Vinícius Pacheco) diz que não é para tanto e que só sai do Paraná se a proposta for irrecusável.

Os rumores ganharam proporções e até uma campanha ?fica, Josiel? foi lançada pela maior comunidade do Paraná Clube no orkut. O próprio jogador avisa: ?não é pra tanto!?. Artilheiro do Brasileirão, com 7 gols, ele admite estar em evidência, mas com tranqüilidade garante ter descartado algumas ofertas desde o início da competição. ?Só saio se for algo irrecusável. Bom para mim e para o clube?, disse Josiel, que tem contrato com o Paraná Clube até 2010 e não esconde o sonho de fechar a temporada como artilheiro da competição ?mais difícil do mundo?.

Sem marcar há duas rodadas, Josiel diz estar focado no clássico, onde a meta é levar o Tricolor à liderança da Série A. Para o atacante, as especulações em torno de seu nome são naturais, diante da proximidade da janela para transferências para o futebol europeu. ?Quando optei pelo Paraná foi para me destacar no cenário nacional. Até então, era um desconhecido e por isso tenho que agir com muita cautela diante de possíveis ofertas?, comentou o jogador, que não pretende sair do País para se aventurar no futebol árabe ou japonês.

?A questão financeira sempre pesa. Mas, além disso, tenho que ver também a minha projeção. Não adianta assinar um ótimo contrato, de um ano e depois sumir do mapa?, lembrou. Josiel atuou nos sete jogos do Tricolor e por isso já não há possibilidade de transferência para outro clube da primeira divisão brasileira. ?E isso nunca foi meu pensamento. Já recebi uma proposta com um salário sete vezes maior, mas senti que aqui no Paraná iria poder mostrar meu futebol, ganhar meu espaço?, revelou o jogador.

Depois de rodar por equipes de menor expressão, como Juventude e Brasiliense, Josiel sabe que no Paraná pode dar um salto em sua carreira. ?É o que todo jogador busca. Uma chance para mudar de vida e acho que estou no caminho certo?. O atacante disse desconhecer ofertas do futebol espanhol, mas acredita que nas próximas semanas os comentários em torno de seu nome devem até aumentar. ?Vai depender muito, também, daquilo que estou produzindo. Para me manter em evidência, só jogando bem e balançando as redes?, finalizou o jogador.

Nem não estréia no clássico

O zagueiro Nem, ao que tudo indica, não irá fazer a sua reestréia com a camisa tricolor no clássico. Não que a questão física seja um problema. Um dos mais experientes do elenco – 34 anos anos -, Nem está apto a jogar, mesmo estando a 70% do que os preparadores físicos consideram o ideal. ?É que a resistência especial ele só vai ganhar jogando?, explica o preparador físico Marcos Walczak.

Na sua visão, durante as duas semanas de trabalhos foi possível melhorar a capacidade aeróbia do atleta, bem como a sua resistência muscular. ?Não é um processo fácil, pois lá em Portugal não se trabalha a musculatura do jogador?, comentou Walczak. Por isso, Nem teve trabalhos específicos, sempre em dois períodos, ao longo das últimas semanas. Na segunda-feira, ele passou por novas avaliações físicas, que comprovaram a evolução do jogador.

Ontem, Nem participou de seu primeiro coletivo, na equipe considerada suplente. Foram 40 minutos que marcaram o reinício das atividades do zagueiro no clube. Nem atuou ?na sua?, como líbero, tendo como companheiros de zaga Daniel Marques e Toninho. O técnico Pintado deixou claro que o zagueiro não deve sequer ficar no banco no próximo sábado. Quando chegou, Nem chegou a se programar para estrear frente ao Rubro-Negro, mas a comissão técnica não pretende queimar etapas.

Até porque, com a volta de Daniel Marques, caso opte por armar a equipe no 3-5-2, Pintado deve escalar o trio de zagueiros que vinha atuando neste Brasileirão, com Daniel Marques, Neguete e Luís Henrique. Toninho seria, neste caso, a opção para a zaga no banco de reservas.

Segundo round contra o São Paulo

Valquir Aureliano
Domingos Moro tenta comprovar diante dos auditores que houve erro de direito do bandeirinha.

O Paraná Clube, municiado por seu departamento jurídico, trava hoje mais uma batalha no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. As possibilidades são remotas, mas o advogado Domingos Moro tenta a impugnação do jogo frente ao São Paulo – única derrota do Tricolor na competição – com base em erros ?capitais? do trio de arbitragem. É a terceira tentativa do clube sob o mesmo tema, sendo que no ano passado não obteve êxito em processos similares.

?É a eterna discussão sobre erro de fato e de direito?, disse o advogado paranista. Na temporada passada, o Tricolor tentou impugnar os jogos frente a Fluminense e Grêmio, onde erros ?grotescos? dos árbitros determinaram os resultados finais. O desafio de Moro é comprovar diante dos auditores que o assistente José Javel Silveira, do Rio Grande do Sul, desconhecia a regra ao anotar erroneamente um impedimento do zagueiro Luís Henrique, no último minuto de jogo.

O lance resultou em gol, que determinaria um empate, não fosse a marcação do bandeirinha, confirmada pelo árbitro Leonardo Gaciba (Fifa-RS). O apitador também falhou no jogo, marcando pênalti inexistente do goleiro Marcos Leandro sobre Aloísio, convertido em gol por Rogério Ceni. O processo é o sexto da pauta de hoje no pleno do STJD, cuja sessão tem início programado para as 14h30.

Ingressos pro clássico à venda

Os ingressos para o clássico já estão à venda em todas as sedes do Paraná Clube. Os preços são os mesmos aplicados até aqui em jogos do Brasileirão. Pelo momento das equipes – que ocupam a 2.ª e a 7.ª posições – todos na Vila Capanema acreditam num grande público. ?Será um grande jogo. Quem vier ao estádio, não vai se arrepender?, disse o atacante Vandinho, apostando suas fichas numa vitória do Tricolor.

A venda antecipada se estende até sábado, ao meio-dia, nos postos tradicionais (Vila Capanema, Kennedy, Tarumã e Boqueirão). Depois desse horário, os ingressos só poderão ser adquiridos nas bilheterias do Durival Britto. Serão 15.100 ingressos para a torcida paranista e outros 2.100 ingressos para os atleticanos. Atendendo solicitação da Polícia Militar, não haverá venda de ingressos para os visitantes no dia do jogo.

Assim, os rubro-negros devem adquirir ingresso exclusivamente na Baixada, a partir de hoje à tarde, ao preço de R$ 40. Mulheres, menores (12 anos), estudantes e idosos (acima de 65 anos) têm direito ao meio-ingresso, a R$ 20. Dos três jogos realizados na Vila, apenas frente ao Sport a ?curva sul? ficou vazia, pois os torcedores de Grêmio e São Paulo lotaram o setor.

Para a torcida do Paraná, os preços são os seguintes: geral R$ 15; curva norte, R$ 20; reta do relógio, R$ 30; sociais, R$ 40; e cadeiras, R$ 50. Em todos os locais, sócios, mulheres, menores, estudantes e idosos têm acesso com o meio-ingresso. Proprietários de camarotes pagam R$ 20 e de cadeiras R$ 10. Mesmo num horário atípico, os dirigentes tricolores acreditam num público superior a 13 mil pagantes.