O Tribunal de Justiça Desportiva, na última quarta-feira à noite, concedeu mais uma vitória ao Toledo, na briga que sustenta com o União Bandeirante, ainda pelo Campeonato Paranaense de 2006. Em primeira instância, a Primeira Comissão Disciplinar do tribunal (por 5×0) puniu o time de Bandeirantes com a perda de 18 pontos, por causa da escalação irregular de 10 jogadores em três partidas pela Série Ouro. O recurso foi para o STJD, que devolveu o inquérito, mandando que o tribunal paranaense julgasse no mérito.

O pleno – formado por seis auditores – ratificou, por 6×0, a sentença da comissão, não reconhecendo a defesa do União que, através do advogado Cúnico Bach, sustenta prescrição e preclusão do caso. O TJD negou provimento e manteve a decisão, com base no voto do relator, o ex-presidente da casa, Bôrtolo Escorsim. Segundo sua justificativa de voto, o tribunal deveria punir o Bandeirante ?para moralizar o futebol paranaense?, no que foi seguido pelos demais juízes.

O advogado Hélder Vicentini denunciou – depois de três partidas do União – a utilização de dez jogadores sem registros, além de dois deles atuarem antes da transferência para o clube. O próprio departamento de registros da Federação Paranaense de Futebol confirmou, à época, que os jogadores não reuniam condições. Colaborou, para isto, o testemunho da CBF que comprovou, através de ofício, ter devolvido todos os registros dos jogadores citados, sem vínculo de trabalho com o União Bandeirante.

Como foram irregularidades em três partidas, o time de Meneghel perdeu 6 pontos em cada um, tirando-lhe a vaga. Por isso, por enquanto o Toledo é o 16.º clube da Série Ouro do próximo ano. Cabe recurso ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva da CBF, caso o time bandeirantinho aceite pagar a taxa de R$ 1.000,00, como da vez anterior, quando foi julgado o recurso.

O presidente do TJD, José Roberto Hagebook, vai esperar o julgamento entre Iguaçu e Cascavel (que em primeira instância tirou seis pontos do Iguaçu), marcado para segunda-feira, para viajar com as duas sentenças debaixo do braço e levá-las ao tribunal da CBF. A FPF pediu urgência na finalização dos dois casos, que interferem diretamente na elaboração da tabela do Campeonato Estadual de 2007. A FPF quer divulgar a tabela de jogos até o dia 10 de novembro.