O Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) suspendeu ontem o julgamento da confusão na última rodada da Divisão de Acesso, entre Operário e Foz do Iguaçu. A decisão é uma vitória do Fantasma, que havia feito o pedido formalmente.

Por 4 votos a zero, os auditores da comissão extraordinária convocada para avaliar o caso repetiram a decisão da 2.ª Comissão Disciplinar, tomada ainda na administração anterior do TJD-PR.

O tribunal entendeu que o pedido de anulação do jogo, feito pelo Operário, deve ser julgado antes. O time de Ponta Grossa alega que o árbitro Edivaldo Elias da Silva errou ao esperar menos de 10 minutos para que os atletas do Fantasma voltassem do vestiário, após a confusão que sucedeu a marcação de um pênalti para o Foz.

No primeiro julgamento, o pleno do TJD frustrou a intenção do Operário e negou a impugnação. Os pontagrossenses recorreram ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva, que avaliará o caso em 14 de agosto.

Se o jogo for cancelado, a Federação Paranaense terá que remarcá-lo. Se a decisão de pleno do TJD for mantida, aí sim a confusão ocorrida após o jogo vai à corte. Neste caso, o Operário estaria sujeito à perda de pontos por abandono de campo, o que daria a segunda vaga na elite Estadual de 2009 ao Foz.