“Inquestionável”. Foi desta forma que o técnico Tite definiu a campanha do Corinthians no Campeonato Brasileiro, que culminou com o título, neste domingo, depois de um empate em 0 a 0 com o Palmeiras, no Pacaembu. Com a vantagem conquistada nas 37 primeiras rodadas, o resultado foi suficiente para deixar o Corinthians dois pontos à frente do Vasco, vice-campeão.

“O campeonato é construído em 38 jogos e a construção do título foi com essas 21 vitórias. A equipe procurou sempre vencer. Foi a equipe que teve melhor saldo de gols (17, igual do Vasco), que melhor se defendeu (36 gols sofridos). Esses números traduzem isso”, disse o treinador, todo molhado, em coletiva concedida na sala de entrevistas do Pacaembu. Antes de conseguir falar, recebeu dos jogadores dois banhos de energético e gelo, daqueles reservados aos campeões.

Ao justificar a campanha de 71 pontos em 38 rodadas, o treinador exaltou o seu próprio trabalho. “Não precisei expor atleta publicamente, não precisei demonstrar pulso, nem ser arrogante. A equipe pôde ser conduzida com respeito. O perfil de liderança meu é desta forma.”

Contestado durante boa parte do seu trabalho no clube, Tite levou o Corinthians ao seu quinto título brasileiro no mesmo ano em que a equipe passou por um dos maiores vexames de sua história, sendo eliminada na pré-Libertadores pelo Deportes Tolima, da Colômbia. Colocado em xeque em diversas oportunidades, ele valorizou o trabalho de reconstrução da equipe em dois momentos da temporada.

“A cultura do País exige que tu tenha vitórias. Você tem que bater campeão em um ano de trabalho. A gente trabalha em cima dessa pressão, mesmo tendo construído o time três vezes. Ela estruturou ano passado, perdeu Roberto Carlos, Ronaldo, remontou depois do Paulista e perdeu Dentinho, Bruno César. Essa equipe tem um grupo muito especial e esse é o grande mérito da equipe”, avaliou.

Ao faturar o título mais importante da sua carreira, Tite lembrou da importância de um técnico ser mantido no cargo. “O pessoal dá muito valor ao título. É a primeira vez que em São Paulo eu tenho a oportunidade de ter um trabalho de começo meio e fim. A minha trajetória está aí para todo mundo avaliar”, desafiou o treinador, que tem três títulos gaúchos (Caxias, Inter e Grêmio), uma Sul-Americana (de 2008, pelo Inter) e uma Copa do Brasil (de 2001, pelo Grêmio).

Enquanto os jogadores comemoravam o título no gramado do Pacaembu, Tite deu uma volta olímpica sendo saudado pelo torcida. Apesar de o título ter sido decidido com o apito final no Engenhão, Tite só começou a comemorar depois que o jogo do Pacaembu chegou ao fim. Para ele, naquele momento, o importante era vencer. “É o espírito competitivo. Eu ganhar o jogo, queria que fosse com vitória.”