Diz o ditado que santo de casa não faz milagre. Será? O treinador Cleocir dos Santos, o Tico, que está interinamente no comando do Rubro-Negro, quer desmentir esse provérbio e mostrar que o conhecimento adquirido em vários anos como auxiliar-técnico e comandante das categorias de formação é suficiente para transformá-lo no profissional capaz de assumir as rédeas do Furacão em definitivo.

Tico não esconde de ninguém a vontade em seguir a carreira de treinador profissional e encara a oportunidade como fundamental nesse processo. Isso mesmo sem o Atlético confirmar a sua continuidade no cargo e, oficialmente, estar em busca de um novo técnico. O nome ventilado ontem foi o de Zico, que vem a Curitiba hoje fazer uma visita ao CT do Caju.

Rojão

Treinador da equipe B (atletas sub-23), Tico foi convidado pela diretoria para assumir o time principal numa situação delicada, após a demissão de Roberto Fernandes e com a equipe na zona de rebaixamento.

Por conhecer bem o funcionamento do clube e também quase que a totalidade dos atletas, não titubeou e encarou o desafio. Em apenas um treinamento mudou o esquema de jogo e conseguiu a vitória diante do Náutico, dando ao departamento de futebol a tranqüilidade necessária para decidir o futuro do comando técnico.

Tico tem uma boa ligação com seus comandados e conta com o apoio deles em caso de efetivação no cargo. “Ele conhece a equipe e todos gostam do Tico. É excelente trabalhar com ele”, afirmou o lateral Nei, logo após a vitória contra o Náutico. O experiente meia-atacante Kelly, que fez sua reestréia na quarta-feira foi mais diplomático.

“Tico tem uma história dentro do Atlético e conhece todos os jogadores. É uma excelente pessoa e já tive a oportunidade de trabalhar com ele no Cruzeiro. Essa questão de permanência deixa para a diretoria. Nosso papel (jogadores) é fazer o que ele pede enquanto permanecer como treinador”, afirmou o atleta.

Preparado

Parte mais interessada no processo de sucessão técnica, o interino diz que o importante é aproveitar a oportunidade e fazer um bom trabalho, independente de ser ou não efetivado.

Tico comandará o time no sábado, diante do Flamengo, no Rio, e caso obtenha novo sucesso poderá convencer a diretoria a esquecer a idéia de acertar com um novo técnico. Ele afirma que está preparado para o desafio.

“Minha preocupação é fazer um bom trabalho e deixar a diretoria tranqüila para escolher o que é melhor para o clube. Tenho minhas convicções, independente de ser agora ou depois, vou seguir a carreira de treinador. Se não for agora, será em outro momento”, finalizou.

Incógnita

Tico já passou por bons momentos no Atlético. Em 2004 foi auxiliar de Levir Culpi e acompanhou de perto a campanha rubro-negra naquele ano, tornando-se vice-campeão brasileiro.

De acordo com o diretor de futebol, Edinho Nazareth, Tico tem os predicativos necessários para comandar o Atlético já que tem empatia, capacidade e conhece bem o grupo. Ressaltou também que quase todo o treinador começou na situação que Tico ocupa atualmente.