O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, reagiu com naturalidade nesta quarta-feira, em entrevista ao programa Arena Sportv, às cobranças relacionadas aos estádios brasileiros que precisam se adequar às muitas exigências da Fifa para poder receber partidas da Copa do Mundo de 2010.

Realista e bem-humorado, Teixeira admitiu que hoje os palcos do país estão longe de estar preparados. O dirigente comentou a situação dos estádios um dia depois de o Morumbi ter sido duramente criticado pelo secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, que reclamou do fato de o estádio não possuir um bom espaço para estacionamento aos torcedores e para utilização de caminhões de TV, além de não ter uma área para abrigar um centro de imprensa.

O Morumbi virou o centro das discussões do tema por ser apontado como principal candidato a receber o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2010. Dono do estádio, o São Paulo divulgou comunicado na última terça-feira, afirmando que já “apresentou uma série de alterações e acréscimos ao projeto de reforma do Estádio do Morumbi e adequações do entorno para a Copa do Mundo de 2014, conforme as recomendações que foram feitas pela FIFA”.

“Vocês jornalistas já ouviram eu falar: ‘Nenhum estádio brasileiro tem condição de receber um jogo de Copa’. Sobre o Morumbi, pelo relatório que foi passado pela Fifa, ele tem que ser profundamente modificado. Todos os 12 representantes das 12 cidades sabem o que precisam fazer nos estádios”, avisou Teixeira, que colocou a adequação dos estádios brasileiros em segundo plano em meio às obrigações do país para abrigar o Mundial.

“O que mais me preocupa são os aeroportos. O problema 1 são os aeroportos, o 2 são os aeroportos e o 3 são os aeroportos. Depois em quarto seria os estádios”, exagerou o dirigente da CBF, lembrando que existem diferenças no nível das exigências entre quem recebe o primeiro e o último jogo da Copa do Mundo de 2010 e quem irá abrigar uma partida de menor importância do Mundial.

“Para quem está se propondo a fazer a abertura e o fechamento as exigências são diferentes das de quem vai receber um jogo normal de Copa do Mundo. No Mineirão tem espaço pra colocar 380 caminhões de televisão. Já no Maracanã não e no Morumbi (o espaço) é pior ainda, pois tem a cidade em cima”, finalizou o dirigente, lembrando que o Morumbi está localizado em uma área residencial de difícil acesso aos torcedores em geral.