Fernando Santos não tem nada a pedir para Cristiano Ronaldo às vésperas da partida semifinal da Copa das Confederações. O treinador de Portugal sabe o tamanho da importância do melhor jogador do mundo para seu time e também em campo contra o Chile, nesta quarta-feira, mas diz que não há o que falar com o atacante. Acredita que Cristiano sabe exatamente o que tem de fazer. “Não tenho nada a pedir para ele. Ele tem de ser ele mesmo, com sua liderança, seu conjunto como capitão e excelente empenho, servindo ao time. Como tem feito nas Confederações”, disse ao Estado.

Espera-se muito do melhor jogador do mundo em Kazan. Cristiano Ronaldo também sabe que não pode fazer por menos numa partida que vale vaga para uma final do torneio. O “eu estou aqui”, usando pelo atacante com a camisa do Real Madrid e Portugal em momentos marcantes e decisivos da temporada, certamente assombrará os chilenos antes e durante o jogo. Embora o técnico do time sul-americano não admita qualquer marcação especial ao português, sabe que não poderá descuidar de suas movimentações.

Cristiano Ronaldo é o jogador diferente deste evento-teste da Fifa para a Copa do Mundo de 2018. Por isso que Fernando Santos tenta colocar Portugal na mesma condição de empenho, dedicação e suor dos chilenos. Porque quando a seleção portuguesa iguala esses quesitos contra qualquer adversário, sabe que tem em Cristiano Ronaldo seu jogador especial, craque, aquele capaz de mudar o destino de uma partida num único golpe. O Chile tem bons jogadores, alguns acima da média, mas nenhum que se equipare ao melhor do mundo.

“O Chile é um time bem servido de jogadores, uma equipe dinâmica e com espírito muito forte dentro de campo. São guerreiros. Mas nós também somos grandes guerreiros. Vamos nos igualar nesse aspecto”, disse o treinador. Fernando Santos olha para o Chile e não vê um rival previsível e de padrão tático definido, como costuma verificar em seus oponentes da Europa. Isso o preocupa de alguma forma. “Não se trata de uma equipe tradicional, em que se perceba claramente o seu jogo. Já vi o Chile atuar com algumas formações diferentes”.

Quando diz que não pensa em pedir nada para Cristiano Ronaldo, Fernando Santos sabe o que suas palavras representam ao próprio jogador. Tenta com isso tirar das costas do atacante o peso de ser o melhor do mundo numa partida importante, como muitos outros já carregaram peso semelhante, de Messi a Ronaldo, passando por alguns brasileiros como Rivaldo e Romário, e até Kaká. Faz uma década, no entanto, que apenas Cristiano Ronaldo e Messi dividem essa situação em partidas decisivas. Na Copa das Confederações, a bola está com o português, eleito até agora na Rússia o melhor em campo nas três partidas em que esteve em campo.