Acabou o sofrimento. Com gols de Wallyson e Paulo Baier, o Atlético venceu o Botafogo por 2 a 0, na Arena, e deu um bico no fantasma da Segundona. Com o resultado o Rubro-Negro alcançou os 47 pontos e consolidou sua posição entre os clubes que estarão na elite do futebol em 2010.

E, de quebra, ainda pode sonhar com uma vaga para a Copa Sul-Americana. Para isso basta vencer o Barueri e torcer para algumas combinações bem prováveis.

A vitória veio no embalo da torcida, que mais uma vez deu show. Antes da bola rolar, a festa já corria solta nas arquibancadas, o que contagiou até mesmo o experiente lateral Alberto, que fez sua despedida do clube na tarde de ontem.

Na entrada do time, chuva de papel picado, bexigas, faixas, bandeira e fumaça em vermelho e preto deram um efeito todo especial ao estádio, demonstrando ao Botafogo que ali era o Caldeirão atleticano.

E durante todo o jogo as mais de 20 mil vozes não pararam de incentivar um minuto sequer. Momento de apreensão somente no início da partida, quando no primeiro minuto o volante Faehl acertou uma cabeçada e a bola explodiu na trave. Depois, o Furacão dominou o jogo.

Porém pecava nas finalizações, como em jogos passados. A ansiedade dominava alguns atletas, entre eles Wallyson. O peso da camisa 9 parecia interferir nas decisões do atleta, que errava muito.

Mas a vontade de vencer superou qualquer dificuldade e a dupla Wallyson e Paulo Baier começou a fazer a diferença. Aos 37 minutos após uma roubada de bola, o maestro recebeu na direita, avançou em direção a área e cruzou. O garoto com um toque de primeira, deslocou o goleiro botafoguense e colocou a Arena em êxtase – 1 a 0.

O Alvinegro carioca só incomodava nas cobranças de bola parada e que foram bem anuladas pela defesa paranaense durante os 90 minutos. Destaque no 1.º tempo para o garoto Alex Sandro que desempenhou o papel de 2.º volante com muita personalidade. Além de anular Lúcio Flávio, saiu para o jogo, criou oportunidades e arrematou para o gol.

Na etapa final, o Atlético veio para explorar os erros do Botafogo, que precisava, ao menos, empatar a partida. E uma decisão de Lopes tornou-se determinante. Ele chamou Rodrigo Tiuí para entrar, mas resolveu apostar mais um tempo na permanência de Wallyson.

E novamente o garoto correspondeu. Aos 19, Marcinho cruzou. O camisa 9 cabeceou para o centro da área e o craque atleticano decidiu. Paulo Baier com uma cabeçada fraca, mas letal, deslocou Jeferson e consolidou a vitória rubro-negra.

Depois do 2 a 0, o Atlético levou a partida em banho-maria, com direito a troca de passes e gritos de olé da torcida. O Alvinegro não demonstrou força para reagir e se entregou.

Nem mesmo uma penalidade não marcada por Wilson Seneme, que foi prejudicial ao Atlético, alterou a vibração da torcida, que só esperou o apito final para explodir em euforia.

Muita comemoração dentro e fora do campo, com jogadores e torcida trocando gestos de carinho. Afinal de contas o Atlético continua na elite do futebol brasileiro.