O julgamento do caso Diego, programado para a noite de ontem, foi adiado para a próxima semana pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD).

Os auditores da entidade pediram mais tempo para analisar as novas provas encaminhadas pelo Atlético e, podem até, arquivar o processo. Para os advogados e dirigentes do clube essa mudança na data da apreciação não altera nada a defesa do clube. O Rubro-Negro foi acionado pelo Coritiba pela escalação do goleiro no clássico e pode perder seis pontos caso seja comprovado a irregularidade na inscrição do jogador.

De acordo com o advogado Gil Justen Santana, os documentos enviados pelo Atlético mudaram o entendimento que os auditores tinham do processo. “Como nós trouxemos provas que contradizem o que o Coritiba colocou no processo, isso mereceria uma especial análise deles”, disse Santana. Segundo ele, o adiamento do julgamento partiu do STJD, na 3.ª comissão disciplinar, e pegou o clube de surpresa. “Foi entendimento da comissão e o Atlético só tem que cumprir e aguardar o julgamento na próxima semana”, destacou.

Esses novos documentos são uma carta da CBF assumindo o erro na não-publicação do jogador e os boletins que a confederação enviou ao clube garantindo a legalidade da situação do jogador. Além disso, o chefe do departamento de registros da própria CBF, Luiz Gustavo, foi convocado para prestar esclarecimento e seria uma das testemunhas de defesa do Rubro-Negro. Essa nova situação pode até levar a procuradoria do STJD a arquivar o processo.

De qualquer forma, o clube mantém a cautela e segue confiante para o julgamento. “Para o Atlético isso não faz a menor diferença. Na verdade, a situação do Atlético é muito cristalina de que o clube se houve com a diligência necessária e, mais do que isso, a condição de jogo do atleta é incontestável”, apontou Daniel Cravo, advogado contratado pelo clube especialmente para o caso. Ele também defende os interesses do Clube dos 13 e tem experiência na área. “Esse é um tribunal técnico e vai se pautar pela técnica para julgar”, continuou.

Hoje à tarde, o STJD deverá se manifestar novamente a respeito do caso. A procuradoria da entidade deverá dizer se mantém o caso e marca nova data para o julgamento ou simplesmente analisa os novos documentos e arquiva o processo.

Pingo se apresentou ao Atlético

O polivalente Pingo foi apresentado oficialmente ontem pelo Atlético e já começou a trabalhar projetando um futuro promissor no seu novo clube. Tido como bom jogador, ele não teve as oportunidades necessárias no Corinthians e chega ao CT do Caju com contrato até o final do ano. Além dele, o clube continua buscando jogadores para reforçar o elenco.

“Eu sou o segundo volante, que marca, mas tem também um pouquinho de liberdade para chegar à frente”, analisa. No entanto, Pingo também pode atuar pela lateral. “No Corinthians eu tive oportunidade, nesse tempo todo que eu estou lá, de atuar em três posições. Joguei a Mercosul de lateral, já atuei de meia, mas a minha posição de origem é de segundo volante”, destaca.

Para colocar toda essa polivalência em campo, ele só precisa o que não teve no Corinthians. “O que me faltou foi seqüência. Todos os treinadores que passaram por lá gostaram muito de mim, mas só jogava quando tinha alguém expulso ou machucado”, explica. Mesmo assim, ele garante que esteve bem nessas poucas partidas. “Sempre entrei bem, dei conta do recado e pude mostrar meu futebol. Mas, hoje, ares novos, e, com seqüência e trabalhando sério, mostrar meu melhor futebol”, promete.

Depois de Pingo, o clube corre atrás de outras contratações. Uma opção diferente para o ataque, um meia e um lateral-direito são as prioridades. O primeiro na mira atleticana é Morais, em litígio com o Vasco da Gama. As negociações continuam, mas o Cruzeiro voltou à carga e também está tentando o jogador. Na lateral, Baiano é o nome preferido, mas o Palmeiras não está querendo liberar ele para o Furacão.