Do alto de seus 42 anos, Mauro Guasti é um dos melhores exemplos de que a utopia não é um sonho distante. Muito menos irrealizável. Há cerca de quatro anos, este professor de educação física, que atualmente ministra aulas da disciplina nos colégios estaduais Santa Cândida e Ângelo Gusso, em Curitiba, comanda um projeto pessoal que tem como principal objetivo ajudar a formar, através de atividade física, cidadãos capazes de enfrentar o cotidiano.

Foi com essa idéia na cabeça e força de vontade, que Guasti começou este trabalho com uma equipe de voleibol. Há cerca de dois anos porém, ele conseguiu abrir espaço dentro do Ícaro Atlético Clube, e foi para lá com algumas atletas que garimpou no universo de alunas para quem ministrava as aulas.

Deste modo, as atletas do projeto passaram a defender as cores do Ícaro. Desde então, já passaram por suas mãos quase 250 atletas, as quais sempre se mantiveram em atividade participando de competições estaduais e metropolitanas.

“Todas as minhas atletas são alunas de instituições públicas de ensino e, em sua grande maioria, de famílias de baixa renda. O objetivo é ocupar seu tempo livre com uma atividade esportiva, evitando assim que a ociosidade as empurre para o lado errado da vida”, explica Guasti, que banca parte do projeto com recursos próprios.

“Mas o grosso do que gastamos sai do próprio trabalho delas”, revela Mauro, explicando: “As jogadoras também funcionam como geradoras dos recursos para bancar o projeto. Elas fazem e vendem bolos e salgados, além de rifas, para que consigamos tudo. Desde bola, uniforme e verba necessária para viagens”.

Monitor familiar

Mauro ainda atua como uma espécie de “tutor” de suas jogadoras. Quando pinta uma festa ou um show que elas querem assistir, ele pede para que elas “sejam responsáveis e evitem problemas”. E mais, ele ainda liga para a casa de todas as que pediram para sair, monitorando suas escapadas. “Tenho o aval dos pais, que agradecem este tipo de cuidado que tenho em relação a elas”, pondera Guasti, que neste ano comanda um grupo de 30 garotas. “São 12 mirins e mais 18 juvenis.”

Embora seja o mentor da ação social, Guasti não é o único herói da empreitada. Outro professor de educação física, o recém formado Juliano Pedroso, juntamente com o formando Paulo Monteiro, são seus auxiliares, enquanto a equipe conta com os trabalhos do fisioterapeuta Ralce Marçal da Silva. O melhor disso tudo é que todos cumprem suas funções de forma voluntária.

Equipe já colhe frutos

A equipe do Ícaro atualmente compete na Liga de Voleibol Escolar do Paraná (Livepar), nas categorias mirim e juvenil, na qual as duas equipes têm jogo hoje.

No mês de abril, o Ícaro participou da Copa Colombo, na qual encerrou a participação ganhando a medalha de bronze, com o terceiro lugar.

Ainda no primeiro semestre, o Ícaro participou do Campeonato da Federação Paranaense de Voleibol.

Mas seu principal resultado até agora aconteceu na primeira etapa da Liga de Voleibol do Paraná, cuja sede é em Piraí do Sul, e conta com a participação de equipes de todas as regiões do Estado. “Fomos campeões da primeira etapa”, revelou um orgulhoso Guasti, lembrando que desta competição participam cidades que têm história e tradição no vôlei paranaense, como Ponta Grossa, Ibiporã, Santo Antônio da Platina e Rolândia, entre outros.

“Não preciso disso. Tenho família para cuidar e sou um professor respeitado pelos colegas. Mas essa atividade me dá muita satisfação. É gratificante comandar meninas como essas”, finaliza Mauro Guasti, lembrando que apesar de se bancar, nunca é demais receber apoio. “O projeto está aberto para receber o apoio de quem quiser nos ajudar. Para tanto, podem entrar em contato conosco através do Ícaro (41 -252-4054) ou para casa (41 -262-6425) ou no meu celular (41 – 9981-0857), que precisamos de apoios para forjar novos cidadãos através do esporte.”