Atlético e Coritiba, rivais em campo, mas aliados fora dele para fortalecer o futebol paranaense, se uniram mais uma vez ontem à tarde, na Arena da Baixada, ao confrontarem à Federação Paranaense de Futebol (FPF). A entidade acabou cancelando o primeiro Atletiba de 2017 válido pelo Campeonato Paranaense. Se o duelo ainda vai render muita discussão e deverá, inclusive, parar nos tribunais, a atitude dos dois maiores do clube do Paraná ficará marcada como, talvez, um recomeço por um futebol paranaense melhor e mais organizado daqui em diante.

Um dos maiores críticos do futebol brasileiro, o técnico Paulo Autuori lamentou todos os fatos ocorridos que acarretaram no cancelamento do Atletiba, mas elogiou a atitude tomada pelos dois clubes. O treinador reforçou a satisfação de atualmente poder trabalhar no Furacão, que caminha com os mesmos princípios e pensamentos que os seus.

“Não se pode perder a oportunidade de quebrar um paradigma. Poderíamos ter um bom espetáculo, como normalmente é o Atletiba, mas não foi possível em função da atitude arbitraria da Federação com relação a possibilidade de não credenciamento daqueles que estavam. Dentro disso lamentamos e essa é a realidade que toma conta do nosso futebol. Tenho que parabenizar a coragem e a opinião pessoal e isso que falta no Brasil, ao futebol brasileiro, tomadas de decisões corajosas. Fico envaidecido de estar em uma instituição como o Atlético”, afirmou o treinador atleticano.

Do lado alviverde, o presidente do Coritiba afirmou que fará uma representação formal contra a atitude arbitrária da FPF junto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e não sabe ainda os rumos do clube no Paranaense. O dirigente estudará o assunto junto ao departamento jurídico e lamentou a falta de apoio da entidade máxima do futebol estadual junto aos seus filiados para a disputa do Paranaense.

“O estado do Paraná está sem rumo em termos de Federação. Temos que ter um rumo, valorizar mais nosso Campeonato Paranaense. Eles não conseguem negociar melhores rendas para o campeonato. Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais tiveram aumento e nós diminuímos. Não concordamos e não vamos concordar nunca. É uma falta de respeito”, cravou Bacellar, em entrevista à Rádio Transamérica.

Autuori prosseguiu criticando os rumos do futebol brasileiro e contou a brincadeira que fez com alguns funcionários estrangeiros do Atlético. O comandante rubro-negro enalteceu a atitude e a união da dupla Atletiba para que haja uma mudança mais contundente dentro do cenário do futebol nacional.

“Brinquei no vestiário com profissionais que temos de outros países, como Estados Unidos, Argentina e Turquia. Falei: ‘muito prazer, esse é o futebol brasileiro’. Apresentamos o que é a nossa realidade. É de se lamentar em função da maneira como não permitiram a transmissão do jogo. Ao mesmo tempo nos dá uma tranquilidade, pois há aqueles que lutam por um melhor futebol, as instituições que têm força e coragem com ideias embasadas em excelência para mudarem o rumo dos acontecimentos e o rumo da vida do futebol brasileiro”, concluiu Autuori.