Sem a presença do consagrado meio-de-rede Gustavo, que sofreu uma fratura no pé e está fora da Liga Mundial, Sidão foi um dos destaques da vitória do Brasil sobre os Estados Unidos, por 3 sets a 1, neste sábado, no Mineirinho, em Belo Horizonte. De volta ao ginásio onde fez sua estreia pela seleção, ele saiu do banco de reservas, entrou no lugar de Lucas e marcou sete pontos no duelo.

“O Mineirinho sempre me traz sorte”, comemorou Sidão. “Foi onde fiz minha estreia pela seleção (contra a Argentina) e sempre consigo jogar bem. O mais importante é ajudar o time. Sempre contamos com os jogadores que não iniciam o jogo para entrar e contribuir. Todos sempre remam para o mesmo lado, independentemente de começar jogando ou não. Essa é nossa principal força”, afirmou o central, que fez três pontos de bloqueio, fato que também foi festejado pelo jogador.

“Meu forte sempre foi o ataque e estou treinando muito para melhorar no bloqueio. O Bernardo me cobra muito e sei que posso evoluir”, admitiu o atleta, que voltou a ser relacionado após ficar de fora das partidas contra a Polônia, por problemas médicos. “Fiquei três dias de cama por causa de uma indisposição e perdi três quilos. Ainda preciso recuperar meu peso, mas já estou 100%”, enfatizou.

A atuação de Sidão foi elogiada por Bernardinho, que minimizou a importância da ausência de Gustavo. “Estamos muito bem servidos na posição de central. Tivemos uma baixa com a perda do Gustavo, mas já temos o Éder à disposição, além do Lucas e do Rodrigão. O Sidão entrou bem no jogo, nos ajudou no ataque e no bloqueio. É importante para ele participar bem de um jogo como este para ganhar moral e experiência internacional”, ressaltou o treinador.

Bernardinho também gostou da atuação do ponteiro João Paulo Bravo, que participa pela primeira vez de uma Liga Mundial e já acumula cinco vitórias em cinco partidas.

Com as dores no joelho sentidas por Dante e a ausência de Giba, ele foi o escolhido pelo treinador para formar a dupla de atacantes com Murilo contra os norte-americanos. O comandante, porém, cobrou evolução em um de seus fundamentos.

“O João Paulo começou o jogo um pouco preso, o que é absolutamente normal, já que ele tem pouco tempo de seleção e pela primeira vez participou deste confronto, que tem tanta rivalidade. Do segundo set em diante, ele se soltou mais e teve uma boa atuação. Mas pode ser mais consistente na recepção, que é um de seus pontos fortes”, analisou o técnico.

João Paulo, por sua vez, admitiu que precisa melhorar para se firmar na seleção. “Estou me soltando aos poucos. Ainda é tudo muito novo. A cada partida que disputo, me sinto mais à vontade. Foi muito bom jogar ao lado do Murilo hoje. Mas ainda podemos melhorar muito, principalmente na recepção”, disse.