Melbourne (AE) – De volta aos grandes momentos, Serena Williams conquistou seu oitavo troféu de Grand Slam, o terceiro do Aberto da Austrália, ao revelar-se forte demais para a nova número 1 do mundo, Maria Sharapova, e aplicar neste sábado o incontestável placar de 2 sets a 0, parciais de 6/1 e 6/2, em apenas 63 minutos.

Este foi certamente o mais improvável título da carreira da norte-americana. Ela entrou na competição desacreditada e na 81.ª. posição do ranking. Transformou-se na primeira tenista em 29 anos (Chris O?Neal também ganhou nestas condições como número 111 do mundo em 1976) a vencer em Melbourne ocupando ranking tão baixo.

?Provei que todos estavam errados quando diziam que não tinha chance, que estava sem físico e sem condições de vencer?, afirmou Serena. ?Gosto deste tipo de desafio, de mostrar o que posso fazer.?

A vitaminada Serena, de formas exuberantes e olhar ameaçador, disputou apenas quatro torneios em 2006, por causa das seguidas contusões, e fez fraca preparação para o Aberto da Austrália. Mas a norte-americana parecia estar movida por uma motivação extra e jogou para mostrar que, aos 25 anos, ainda pode voltar a brigar pelos principais títulos e as primeiras posições do circuito. Com este título passará a ocupar a 14.ª colocação na WTA a partir de segunda-feira.

Entre gritos, pulinhos, sorriso e muita festa, Serena chegou a emocionar-se quando dedicou seu título à irmã Yetunde Price, morta a tiros em 2003. ?Este troféu é para você, obrigada, Tunde?, discursou, sem conter as lágrimas.

A estranha atuação da musa russa deixou algo de estranho no ar. Até mesmo seu pai, Yuri, normalmente enérgico nas cobranças, limitou-se a aplaudir consternado a filha. Sharapova apenas lamentou o fato de justamente no dia do aniversário da mãe, Yelena, não ter podido presenteá-la com a vitória.

Nova número 1 do mundo, depois do vice no Aberto da Austrália, Sharapova esteve elegante após a derrota e elogiou a campeã. ?Nunca se deve subestimar Serena. Sei do que ela é capaz e mostrou sua força hoje?, afirmou a tenista russa, que cometeu número incrível de erros, especialmente no saque. ?Para mim, é motivo de orgulho estar na final, especialmente depois de tanto sofrimento na primeira rodada, em que passei por Camile Pin com dificuldades e debaixo de forte calor.?

Como consolo, Maria Sharapova vai aparecer amanhã oficialmente como a líder do ranking da WTA, no lugar da belga Justine Henin-Hardenne, que deixou de jogar na Austrália por causa da separação do marido.

Duplas

Os irmãos norte-americanos Bob e Mike Bryan conquistaram o bicampeonato do torneio de duplas do Aberto da Austrália. Vencedores no ano passado, eles derrotaram o sueco Jonas Bjorkman e o bielo-russo Max Mirnyi por 2 sets a 0, com duplo 7/5.

A vitória teve um gosto especial para a dupla norte-americana. ?No ano passado, eles nos derrotaram em três finais, mas agora finalmente vencemos o Jonas (Bjorkman). Ele é um jogador forte e fica um pouco o sentimento de vingança?, disse Mike.

Além do bicampeonato de 2006-2007 do Aberto da Austrália, os irmãos Bryan possuem mais três títulos de Grand Slam: Roland Garros (2003), US Open (2005) e Wimbledon (2006). ?Nós sempre queremos jogar bem em Grand Slams. Eu penso que serão por esses jogos que nós seremos lembrados?, afirmou Bob.