Os festejos da conquista do bicampeonato paulista começaram no gramado da Vila Belmiro, logo após o apito final do árbitro Luiz Flávio de Oliveira, mas têm hora para acabar. Ordem do técnico Muricy Ramalho, que preferiu comemorar pouco a vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians e consequente título, pois já está com a cabeça no duelo pela Libertadores, na próxima quarta-feira, contra o Once Caldas, da Colômbia, no Pacaembu.

“Não pode ter muita festa, porque a gente tem que descansar. Só dá tempo de dar um beijo na esposa e voltar à concentração”, disse o treinador. O elenco santista fez uma festa fechada, na noite do último domingo, para o elenco e a diretoria, em um restaurante da cidade. E o time já se reapresenta aos treinos nesta segunda-feira, quando inicia os preparativos para o duelo pela Libertadores.

Se o comandante estava preocupado com os excessos que os atletas poderiam cometer na noite da comemoração, os próprios jogadores pensavam de outra forma: aproveitar a empolgação do bicampeonato no confronto com o Once Caldas e avançar à semifinal da Libertadores. Um empate classifica o Santos, já que o time venceu na Colômbia por 1 a 0, gol de Alan Patrick.

Um dos que defenderam essa tese foi Adriano. O volante, apesar de ser reserva, teve participação ativa na campanha vitoriosa. “O elenco do Santos é muito forte. Fico feliz em entrar e poder contribuir. Agora é hora de usar esse embalo e entrar assim no jogo contra o Once Caldas, pela Libertadores”, receitou o jogador, que disputou 20 partidas no Campeonato Paulista e foi titular na decisão, na vaga do suspenso Danilo.