Viola, autor do gol mostraousadia e
tenta jogada no meio das pernas do atacante.

No futebol, volta e meia aparece um jogador predestinado, que entra na partida para decidir o jogo. Mas nem sempre a favor da própria equipe. Foi o que aconteceu ontem à tarde com o zagueiro paranista Carlinhos. O técnico Paulo Campos promoveu a entrada dele no início do segundo tempo e ele acabou decidindo a partida a favor do Guarani. Ao cometer a penalidade em cima de Jonatas, deu a Viola a oportunidade de marcar o gol da vitória magra, por 1 a 0. Ironia do destino.

Entretanto, Carlinhos não pode de forma alguma ser crucificado. Afinal, tirando esse lance decisivo, a defesa foi o único setor atuante do time no Brinco de Ouro da Princesa. Flávio fez alguns milagres. Talvez por jogar fora de casa, o Paraná não foi nem sombra do time que assombrou a Ponte Preta na semana passada e foi injustamente derrotado.

Com o meia Wiliam em tarde pouco inspirada e Fernando pecando pelo excesso de preciosismo, poucas vezes Wellington Paulista e Galvão foram servidos, levando pouco perigo para o time adversário. No final do jogo, até houve uma reação mas, desordenado, o time não conseguiu reverter o placar.

O próprio técnico Paulo Campos, na saída para o intervalo, apontou a falta de confiança da equipe como determinante para o revés inicial. “Falta confiança em jogar futebol”, resumiu o treinador. O problema até pôde ter sido detectado, mas não solucionado. Sem peças de reposição à altura, Campos sacou Wiliam e deu passagem ao lateral-esquerdo Wesley. Com a mudança, Edinho foi deslocado para o meio. Depois, a opção foi colocar o meia Marcel no lugar do volante Nílson – mudança que já fora efetuada na partida contra a Macaca.

A disposição pode até ter aumentado, mas desordenada, a equipe subiu em bloco para o ataque, sem uma jogada ensaiada, sem padrão de jogo, o que resultou em ineficiência na conclusão, apesar da presença da dupla titular de ataque. O resumo do jogo coube com perfeição na declaração indignada do goleiro Flávio: “Faltou atitude ao time”. O castigo foi mais uma derrota, que fez o Paraná cair para 14.º na tabela. A tentativa de recuperação será apenas no dia 12 de junho, contra o Botafogo, quanto o time retornar de Piratuba, onde o técnico Paulo Campos tentará, com os novos reforços, dar um padrão mais audacioso ao time.

Cristian já está contratado

A falta de criatividade no meio-de-campo do Paraná poderá ter uma solução a partir de agora. Ontem à tarde, o vice-presidente do Tricolor, Durval “Vavá” Ribeiro, confirmou a contração do meia-direita Cristian, que estava no Ituano. “Nós adquirimos os direitos federativos desse atleta, o que poderá nos render lucro no futuro”, acredita o dirigente.

Aliás, baseado no discurso de manter um elenco que possa vir a dar retorno financeiro, Vavá justificou a polêmica saída do experiente meia Jean Carlo do time. “Era um jogador que não estava correspondendo tecnicamente e estava fora do nosso padrão atual.” O salário diferenciado do jogador é apontado como determinante para a rescisão contratual.

Além de acertar o contrato de Cristian, Vavá garantiu que a diretoria vai ao interior de São Paulo para finalmente solucionar a situação do meia Canindé, jogador do Paulista. As negociações já se arrastam há algum tempo. “Vamos resolver tudo esta semana.”As aquisições do Tricolor não devem parar por aí. Em tom misterioso, Vavá deixou escapar que um atleta que fez parte do grupo do Brasileirão no ano passado pode voltar para a Vila Capanema. O nome mais forte é o do meia Caio, que solucionaria uma posição extremamente carente do time. Mas o volante Pierre também aparece no terreno das especulações.

CAMPEONATO BRASILEIRO
8.ª rodada
Local: Brinco de Ouro (Campinas-SP)
Árbitro: Álvaro Azeredo Quelhas (FIFA-MG)
Assistentes: Alexandre Santos Conceição (MG) e Helbert Costa Andrade (MG)
Gol: Viola, aos 12 minutos do 2º tempo.
Cartões amarelos: Juninho, Fernando Lombardi e Paulo André
Público pagante: 2.319
Renda: R$ 22.513

Guarani 1 x 0 Paraná

Guarani
Jean; Dida, Paulo André, Juninho (Thiago) e Adílio; Roberto, Sidney, Alexandre e Simão (Reinaldo); Jônatas (Sandro Hiroshi) e Viola. Técnico: Zetti

Paraná
Flávio; Cláudio, Fernando Lombardi, Nelinho (Carlinhos) e Edinho; Nilson (Marcel), Goiano, Wiliam (Wesley) e Fernando; Wellington Paulista e Galvão. Técnico: Paulo Campos