O jogo contra o Linense, nesta quarta-feira, às 22 horas, em Lins, será bem diferente de todos os outros que o Palmeiras já disputou na temporada. O jogador que organiza a equipe e faz a diferença nas bolas paradas não vai atuar. Marcos Assunção, suspenso, está fora de combate e o time terá de mostrar que também pode render sem seu garçom.

Os números mostram a dependência do Palmeiras no pé calibrado de Marcos Assunção. Em dez jogos, o volante deu seis assistências e marcou três dos 21 gols do time no Paulistão. Contra o São Paulo, ele recebeu o terceiro cartão amarelo e pela primeira vez terá uma rodada de descanso, para o lamento de seus companheiros.

“Ele é muito importante para nós, mas quem entrar com certeza vai tentar fazer o melhor. Sabemos que perdemos a referência na bola parada sem ele”, disse o atacante Hernán Barcos, um dos que mais vai sofrer com o desfalque. Patrik deve ser o eleito para entrar no time.

Quem poderia herdar a vaga e a tarja de capitão de Marcos Assunção é Valdivia, mas o chileno, embora nesta terça tenha treinado bem com o elenco, ainda não está em condições de jogo e sequer foi relacionado. Como o chileno continua fora do time, Daniel Carvalho vai se virando. Mas o “bom problema” para o treinador é que Daniel tem melhorado a cada jogo e até gol de falta ele fez no clássico contra o São Paulo, mostrando que, se não tem a qualidade de um Marcos Assunção, pelo menos pode suprir a necessidade de um especialista na bola parada com uma boa qualidade.

A entrada de Patrik deve ser a única novidade de Luiz Felipe Scolari. O restante do time é o mesmo que enfrentou no São Paulo, no domingo passado.